Links de Acesso

Venezuela suspende negociação com oposição e detém executivos após extradição de Alex Saab


Cartaz a pedir a libertação de Alex Saab, em Caracas

Medida foi tomada horas depois das autoridades de Cabo Verde terem entregue o enviado especial da Venezuela aos Estados Unidos.

O Governo da Venezuela suspendeu as negociações com a oposição que seriam retomadas neste domingo, 17, horas depois de o empresário colombiano e seu enviado especial, Alex Saab, ter sido extraditado para os Estados Unidos a partir de Cabo Verde, onde estava preso desde Junho de 2020.

O anúncio foi feito na noite de sábado, 16, pelo presidente da Assembleia Nacional, Jorge Rodriguez, quem chefia a delegação do Governo e que justificou a decisão “como expressão profunda do nosso protesto ante a brutal agressão contra a pessoa do nosso delegado, Alex Saab Morán".

“A delegação da República Bolivariana de Venezuela na mesa de diálogo repudia a operação ilegal de extradição levada a cabo pelo Governo dos Estados Unidos”, acrescentou Rodriguez no comunicado.

Apesar de estar preso em Cabo Verde e do Tribunal Constitucional ter rejeitado, a 30 de Agosto, o recurso da defesa contra a extradição para os Estados Unidos, o Governo venezuelano nomeou Alex Saab, no início de Setembro, membro de equipa que negoceia com a oposição, no México, uma saída à crise política no país.

O líder da oposição Juan Guaidó condenou a decisão, ao escrever no Twitter que “com esta suspensão irresponsável, eles fogem mais uma vez da atenção urgente para o país, que actualmente sofre de uma pobreza extrema de 76,6%” e reiterou que “continuará a insistir numa solução para a crise do país”.

Prisão de executivos

Também horas depois de um avião do Departamento de Justiça americano trazer para os Estados Unidos, Alex Saab a partir do Aeroporto Internacional Amílcar Cabral, na ilha do Sal, em Cabo Verde, as autoridades de Caracas revogaram a prisão domiciliar de seis ex-directores da refinaria Citgo, subsidiária americana da estatal petrolífera PDVSA, entre eles cinco cidadãos americanos.

A agência Reuters citou duas fontes conhecedoras do processo e um familiar de um dos detidos.

O advogado de um dos executivos, Tomeu Vadell, disse ao jornal New York Times que membros da polícia de inteligência da Venezuela apareceram em frente à casa de Vadell no sábado por volta das 17h30 e o levaram.

“Não sabemos para onde, por quê ou para quê”, acrescentou o advogado Jesús Alejandro Loreto.

Os seis executivos têm sido usados como peões nessa relação antagónica entre os Estados Unidos e a Venezuela.

Eles trabalharam para a Citgo Petroleum, a subsidiária da estatal venezuelana de petróleo com sede em Houston, e foram detidos pelo Governo venezuelano por acusações de corrupção em 2017.

Entretanto, no início deste ano, eles foram colocados em prisão domiciliar, o que foi entendido como um sinal de que o Presidente Nicolás Maduro queria melhorar as relações com os Estados Unidos, agora com a Administração Biden.

Defesa fala em "sequestro"

Detido a 12 de Junho de 2020 quando seguia para o Irão, alegadamente para negociar produtos alimentares para a Venezuela, Alex Saab foi extraditado depois de o Tribunal Constitucional (TC) de Cabo Verde ter rejeitado, a 30 de Agosto, o recurso da defesa contra a decisão do Supremo Tribunal da Justiça, que, a 17 de Março, tinha recusado outro recurso contra a sentença de extradição para os Estados Unidos, a 4 de Janeiro, do Tribunal de Relação de Barlavento.

O TC indeferiu vários outros recursos da defesa.

Pouco tempo depois de Saab ter deixado o país, o advogado cabo-verdiano Pinto Monteiro, que integra a equipa de defesa, classificou de “sequestro” a extradição num vídeo enviado à VOA, no qual disse não ter sido notificado da acção.

Mais tarde, numa nota, a defesa de Saab disse que “policias cabo-verdianos entraram na casa onde o enviado especial Saab estava detido e o levaram para o Aeroporto do Sal, onde foi entregue a agentes dos Estados Unidos”.

“Esta acção foi realizada sem que nenhum representante da equipa de defesa tivesse tido uma notificação prévia e (as autoridades) não tinham a documentação relevante ou uma resolução para esse efeito”, acrescentou a defesa, que ainda acusou o Governo de Cabo Verde de não esperar as decisões de vários recursos em curso.

Por seu lado, em comunicado, o Governo da Venezuela prometeu “defender com todos os recursos legais e diplomáticos disponíveis” Alex Saab e que “levará o caso a todas as instâncias multilaterais de direitos humanos”.

Num post no Twitter o Ministério das Comunicações no Twitter classificou a extradição de "sequestro".

Entretanto, a agência Reuters disse que uma porta-voz do Departamento de Justiça dos Estados Unidos confirmou a extradição de Alex Saab e disse que ele deve comparecer a um tribunal na segunda-feira, 18, num tribunal de Miami.

A justiça americana diz que Saab e o seu sócio Álvaro Pulido Vargas participaram supostamente num esquema de suborno entre 2011 e pelo menos até Setembro de 2015 e os acusa de branqueamento de cerca de 350 milhões de dólares no sistema financeiro dos Estados Unidos, segundo um comunicado de imprensa do Departamento de Justiça.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG