Links de Acesso

Vítimas das cheias em Benguela expõem ao vice-presidente a amargura de famílias sem abrigo


Bornito de Sousa aponta para planos de urbanização

Enquanto se projecta o arranque da limpeza nas valas de drenagem do Lobito e Catumbela, na província angolana de Benguela, vítimas das cheias que destruíram 39 casas e inundaram 93, há cinco dias, deploram a falta de abrigos provisórios.

Vice presidente em Benguela - 1:40
please wait

No media source currently available

0:00 0:01:40 0:00

Ao relento, à espera das 1.700 casas sociais prometidas pelo Governo provincial para centenas de famílias em zonas de risco, os cidadãos afectados pelas chuvas e ventos fortes expuseram, na quarta-feira, 20, o seu drama ao vice-presidente da República, Bornito de Sousa.

Ao sentimento de dor pelos dezasseis mortos, que foram a enterrar com a ajuda das autoridades, junta-se o medo de famílias que pernoitam em escombros das moradias que a tempestade levou.

Em nome de uma comunidade do município da Catumbela, o mais problemático, Salomão Cipriano falou dos dias de amargura.

‘’Estamos mesmo a dormir na rua, isso é perigoso. Ainda não está concluída a assistência, há muita, muita gente sem casa’’, lamenta Cipriano.

Catumbela recebeu o vice-presidente
Catumbela recebeu o vice-presidente

O vice-presidente da República, Bornito de Sousa, diz acreditar em soluções globais, mas adverte que é preciso respeitar o plano de urbanização.

‘’Sabemos que ainda existem desaparecidos, mas as autoridades estão a trabalhar para encontrar soluções. Falamos de soluções globais, sempre no domínio da urbanização. É preciso respeitar a natureza porque numa linha de água pode não chover hoje, mas choverá amanhã ou noutro dia’’, avisa o governante.

Por isso mesmo é que as autoridades locais, segundo o governador provincial, Rui Falcão, esperam que sejam construídas as casas anunciadas no dia seguinte à tragédia de Março de 2015.

‘’Vamos continuar a persuadir para que as 1.700 casas anunciadas há quatro anos sejam construídas e assim limparmos as zonas de risco’’, reafirma Falcão.

Para já, aguarda-se pela limpeza de valas, com recurso ao fundo rodoviário, conforme anunciou o ministro da Construção, Manuel Tavares de Almeida, que também visitou os sinistrados.

Numa tomada de posição em que questiona a desconcentração administrativa, o deputado Alberto Ngalanela, secretário provincial da Unita, sugere que o governador provincial e administradores municipais coloquem os cargos à disposição, mostrando que não são coniventes com a desgraça.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG