Links de Acesso

Um século depois, a cidade americana de Tulsa lembra massacre racista


Dois homens armados caminham na direcção oposta de edifícios a arder. 1 de Junho 2021 - massacre de Tulsa. (Arquivo)

O Presidente dos EUA, Joe Biden, vai, esta terça-feira, 1 de Junho, a Tulsa, Oklahoma, para comemorar o centenário do Massacre Racista de Tulsa, uma terrível destruição de uma comunidade negra, em 1921, por uma multidão de brancos, que deixou 300 mortos e 10.000 desabrigados.

Até hoje, é um episódio na história conturbada do país sobre a violência racial, que muitos americanos têm pouca consciência, mesmo quando o país enfrenta acusações de abuso policial de minorias, desigualdade económica racial e debate sobre restrições de votação, recentemente promulgadas, que os críticos dizem ter como objectivo evitar a participação de eleitores negros e hispânicos e limitar a sua influência.

EUA marca Centenário do Massacre de Tulsa
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:38 0:00

Parece que restaram apenas três sobreviventes, todos centenários, da destruição da próspera comunidade de Tulsa conhecida como Black Wall Street. O ataque racial ocorreu quatro décadas antes do muitas vezes violento Movimento dos Direitos Civis dos anos 1960, que garantiu o direito de voto para os negros americanos.

Quando Biden chegar à cidade de 400.000 habitantes, no sudoeste dos Estados Unidos, para a comemoração dos horrores de 31 de Maio, a 1 de Junho, estará a ser inaugurado um novo museu para recordar o ocorrido. Mas permanecem dúvidas sobre o pagamento de indemnizações - e quanto - aos sobreviventes e descendentes das vítimas do ataque, e como localizar as campas dos mortos no massacre.

A fumaça sobe das ruínas das casas de afro-americanos após o massacre racial em Tulsa, Oklahoma, em 1921. (Biblioteca do Congresso via Reuters)
A fumaça sobe das ruínas das casas de afro-americanos após o massacre racial em Tulsa, Oklahoma, em 1921. (Biblioteca do Congresso via Reuters)

Uma das sobreviventes, Viola Fletcher, 107 anos de idade, apareceu recentemente perante um painel do Congresso, na sua primeira viagem a Washington para defender as indemnizações, e partilhou as suas memórias do ataque ao bairro, quando ela era uma menina de sete anos:

“O bairro no qual adormeci naquela noite era rico, não apenas em termos de bens, mas em cultura ... e património. A minha família tinha uma bela casa. Tínhamos óptimos vizinhos. Eu tinha amigos com quem brincar. Eu sentia-me segura. Eu tinha tudo que uma criança poderia precisar. Eu tinha um futuro brilhante. ”

"Em algumas horas", disse Fletcher, "tudo isso se foi."

“Na noite do massacre, fui acordada pela minha família”, relembrou ela. “Os meus pais e cinco irmãos estavam lá. Disseram-me que tínhamos que ir embora e foi isso. Nunca esquecerei a violência da multidão branca quando saímos de nossa casa. Ainda vejo homens negros sendo baleados, corpos negros na rua. Ainda sinto o cheiro de fumaça e vejo fogo. Ainda vejo empresas negras sendo queimadas. Ainda ouço aviões voando no céu. Ouço os gritos. "

Fletcher, seu irmão, Hughes “Uncle Red” Van Ellis, de 100 anos, e uma terceira sobrevivente, Lessie Benningfield Randle, de 106 anos, são as principais figuras numa acção de indemnização movida no ano passado contra a cidade de Tulsa, Condado de Tulsa, o estado de Oklahoma e Câmara de Comércio de Tulsa. Eles afirmam que os réus são responsáveis pelo que aconteceu durante o massacre.

"Vivi o massacre todos os dias", disse Viola Fletcher ao painel do Congresso. "O Nosso país pode esquecer essa história, mas eu não posso. Não vou. E outros sobreviventes não. E os nossos descendentes não."

Cem anos atrás, Greenwood - o bairro negro de Tulsa que inclui a área conhecida como Black Wall Street - foi totalmente queimado e o Departamento de Polícia de Tulsa praticamente todo branco se juntou ao ataque e forneceu as armas. O massacre foi desencadeado por acusações de que um jovem negro de 19 anos havia agredido uma adolescente branca de 17 anos num elevador.

Numerosos relatórios da época descreveram polícias brancos com distintivos, incendiando e atirando contra negros, como parte da invasão de Greenwood.

Mas a violência de 1921 foi amplamente ignorada por décadas, senão esquecida. O então chefe de polícia de Tulsa, Chuck Jordan, esteve em Greenwood em 2013 e se desculpou pelo papel do departamento.

"Não posso me desculpar pelas acções, inacção ou abandono desses oficiais individuais e do seu chefe", disse Jordan. "Mas, como chefe hoje, posso pedir desculpas pelo nosso departamento de polícia. Lamento e estou angustiado que o Departamento de Polícia de Tulsa não protegeu os seus cidadãos durante os dias trágicos de 1921."

A comemoração dos acontecimentos de 100 anos atrás, porém, faz eco nas disputas de 2021.

A Comissão do Centenário do Massacre de Tulsa cancelou abruptamente um concerto "Remember and Rise" "devido a circunstâncias inesperadas". O cantor John Legend tinha uma apresentação agendada e havia planos de um discurso da activista pelos direitos de voto Stacey Abrams.

O governador de Oklahoma, Kevin Stitt, foi destituído da comissão do centenário depois de ter assinado uma legislação que proibia os professores de escolas públicas de ensinar sobre a "teoria crítica da raça" que narra a história da escravatura do século XVII no que mais de um século depois se tornou os Estados Unidos.

Greenwood Rising, um novo museu para comemorar o massacre de 1921, é inaugurado esta semana, mas alguns em Tulsa denunciam a comissão e se concentram nos sobreviventes e descendentes restantes do ataque.

Durante a visita de Biden, a cidade estará a reiniciar a escavação de uma suposta vala comum, onde as vítimas do massacre estão enterradas.

A extensão das reparações permanece primordial para lembrar o massacre. O senador estadual de Oklahoma, Kevin Matthews, que preside a comissão do centenário, disse a repórteres na semana passada que os advogados dos sobreviventes inicialmente pediram 100 mil dólares cada e uma doação de 2 milhões de dólares para um fundo de reparações, que a comissão concordou.

Mas ele recusou o que disse serem demandas posteriores de 1 milhão de dólares para cada sobrevivente e 50 milhões de dólares para o fundo, embora os advogados dos sobreviventes contestassem as suas reivindicações.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG