Links de Acesso

Cabo Verde: Tribunal Constitucional recusa alargar prazo de contestação à defesa de Alex Saab


Desenho de Alex Saab, empresário colombiano e enviado especial da Venezuela

Juízes alegam extemporaneidade do recurso

O Tribunal Constitucional (TC) de Cabo Verde rejeitou o pedido da equipa de defesa do enviado especial da Venezuela, Alex Saab, para o alargamento do prazo de resposta ao acórdão daquele órgão que permite a extradição dele para os Estados Unidos.

A defesa do também empresário de nacionalidade colombiana pediu uma cópia em espanhol do acórdão de 194 páginas do TC que recusou o recurso contra a extradição.

Os juízes conselheiros recusaram o alargamento do prazo pela “sua manifesta extemporaneidade", por ter sido apresentado além dos cinco dias previstos, o requerimento para fornecer uma cópia do acórdão "traduzida em língua castelhana" e do alargamento do prazo processual legalmente determinado para aclaração por um mínimo de 30 dias.

O acórdão, publicado no site do TC, sustenta-se no facto de a defesa ter sido notificada no dia 7 de Setembro da decisão do acórdão de 30 de Agosto e ter feito o requerimento apenas no dia 23 do mesmo mês.

“Sendo assim, o presente requerimento é manifestamente intempestivo, pelo que não pode ser admitido para decisão de mérito", concluem os juízes conselheiros.

O caso

O enviado especial da Venezuela foi detido a 12 de Junho de 2020 no Aeroporto Internacional Amílcar Cabral, na ilha do Sal, em Cabo Verde, quando seguia viagem para o Irão, onde, segundo o Governo da Venezuela, ia negociar ajuda alimentar para o país, como forma de contornar as sanções impostas a Caracas.

Depois de um longo processo judicial, a 4 de Janeiro de 2021, o Tribunal de Relação de Barlavento decidiu pela extradição de Alex Saab para os Estados Unidos.

A defesa recorreu ao Supremo Tribunal de Justiça (STJ) que, a 17 de Março, recusou mudar o veredito do tribunal inferior e ratificou a extradição do colombiano.

A defesa recorreu ao TC que a 30 de Agosto considerou o recurso improcedente.

Aquele órgão judicial rejeitou vários outros recursos da defesa.

A defesa e o Governo da Venezuela têm dito que o caso é político e que as autoridades de Cabo Verde têm sido pressionadas pelos Estados Unidos.

Quando forem esgotados todos os recursos, e caso não seja revogada a sua extradição para os Estados Unidos, o Governo de Cabo Verde deverá entregar Alex Saab à Embaixada americana na Praia que se encarregará da sua transferência para os Estados Unidos.

Saab vai responder por crimes de branqueamento de capitais num tribunal da Flórida.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG