Links de Acesso

Timor Leste, a nação mais jovem da Ásia, elege Presidente


Pessoas na fila para votar nas eleições presidenciais, em Díli, Timor Leste. 19 de Março, 2022.

As urnas foram encerradas em Timor Leste depois da nação mais jovem da Ásia ter realizado a sua quinta eleição presidencial desde a independência no sábado, 19 de Março.

Estabilidade política e segurança económica estavam em primeiro plano nas mentes dos eleitores.

Os 16 candidatos presidenciais incluem o ex-combatente da resistência e Presidente em exercício Francisco "Lu Olo" Guterres, bem como a figura da independência e vencedor do Prémio Nobel José Ramos-Horta, um ex-padre católico.

Ana Gomes comenta situação política de Timor Leste
please wait

No media source currently available

0:00 0:01:09 0:00

Embora as figuras da independência do país ainda dominem o campo, pela primeira vez também há quatro candidatas do sexo feminino, incluindo a vice-primeira-ministra Armanda Berta dos Santos.

"Devemos escolher uma nova geração para que possamos construir este país", disse Jorge Mendonça Soares, 42 anos, depois de estar na fila pacientemente para votar na capital, Díli, na manhã de sábado.

Uma pesquisa recente da universidade nacional mostrou que Ramos-Horta, 72 anos, o ex-comandante das forças de defesa Lere Anan Timur, e o titular Guterres eram os favoritos.

No momento em que as urnas foram encerradas às 06:00 GMT, alguns aspirantes a eleitores na capital não puderam votar devido a requisitos de residência.

"Muitos não podem votar porque não estão registados nos dados como residentes fora da cidade de Díli", disse à Reuters João Ximenes, chefe de uma assembleia de voto em Comoro. Ele acrescentou que duas pessoas foram presas depois de um protesto ter eclodido numa assembleia de voto.

As autoridades disseram que não ficou imediatamente claro quantas pessoas foram afectadas pela regra.

Espera-se que as primeiras indicações dos favoritos nas eleições surjam no final do sábado. Se nenhum candidato obtiver a maioria absoluta, a votação prosseguirá para uma segunda volta a 19 de Abril entre os dois principais candidatos.

Aproximando-se de vinte anos desde a independência após o fim de uma ocupação brutal pela Indonésia, Timor Leste tem lutado por longos períodos com a instabilidade política.

Após as eleições de 2018, Guterres recusou-se a empossar alguns ministros do Congresso Nacional da Reconstrução de Timor-Leste (CNRT), partido político liderado pelo ex-primeiro-ministro Xanana Gusmão.

O impasse político que se seguiu continua até hoje.

Ramos-Horta, que é apoiado pelo partido CNRT de Xanana, disse no início desta semana que concorria porque sentia que o actual Presidente tinha "excedido os seus poderes".

Guterres disse aos repórteres após a votação no sábado: "Quem concorrer deve estar pronto para vencer e estar pronto para perder. Mas quero dizer que vencerei."

No sistema político de Timor-Leste, o Presidente nomeia um governo e tem o poder de vetar ministros ou dissolver o parlamento.

A diversificação económica foi uma questão importante na eleição, pois as preocupações aumentam com a forte dependência do país em relação à oferta cada vez menor de petróleo e gás.

O papel dos jovens eleitores também foi fundamental, com cerca de 20% dos eleitores atingindo a idade de votar de 17 anos nos últimos cinco anos e votando pela primeira vez.

Marco de Jesus, 17 anos, votou pela primeira vez e disse que se sentiu nervoso, mas descontraiu após a ajuda da equipa de votação.

"Sinto-me orgulhoso por ter cumprido a minha função de eleitor", disse ele do lado de fora de uma assembleia de voto na zona ribeirinha de Díli.

"Espero que a minha escolha possa trazer mudanças positivas e úteis."

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG