Links de Acesso

Sociedade civil guineense debate a suspensão de adopção internacional de crianças 


Bissau, Palácio Justiça

A organização “Amigos das Crianças ‘AMIC’”, que luta contra a exploração de crianças na Guiné-Bissau, saúda a recente decisão governamental de suspender todos os processos de adopção internacional para evitar “o tráfico dos menores”.

Sociedade civil guineense debate a suspensão de adopção internacional de crianças
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:31 0:00

Laudelino Medina, secretário executivo desta ONG, disse que “a Guiné-Bissau, não assinou e nem ratificou a Convenção de Haia, que regulamenta a adopção internacional (…) e muitas pessoas afluem aproveitando da nossa vulnerabilidade, não só a nível legal, mas, também a vulnerabilidade das nossas populações, adoptando crianças para muitas finalidades”.

Ao decidir a suspensão de adopções, o governo disse que “tem havido sistematicamente situações que não obedecem as normas estabelecidas”.

O Governo, liderado por Nuno Gomes Nabian, sustenta, por outro lado, que não vai haver a alteração substancial da Lei sobre adopções internacionais de crianças, mas sim, a observância da sua “aplicabilidade, porque as pessoas não estão a respeitar as regras”, tanto que “existem casas de acolhimento que recebem crianças órfãs e fazem adopções de forma illegal”.

Emanuel Fernandes, especialista em matéria de legislação infantil, não obstante concordar, diz que a decisão do Governo devia basear-se num estudo prévio sobre o assunto.

“Para mim, é uma medida louvável. Seja como for, podemos repensar a fórmula para depois adoptarmos uma nova medida sobre adopção internacional,” disse Fernandes.

Por seu turno, Medina defende que o Estado guineense deve ractificar, o mais breve possível, a Convenção Internacional de Haia sobre adopção internacional de crianças, para “depois a harmonização do nosso dispositivo nacional ao espirito desta convenção internacional”.

Acompanhe:

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG