Links de Acesso

Sindicato garante 80 por cento de adesão à greve nos Caminhos-de-Ferro de Luanda


Empresa diz não poder garantir aumento salarial exigido pelos trabalhadores

O secretário-geral do Sindicato Independente dos Ferroviários de Angola garante uma adesão de 80 por cento à greve que começou nesta segunda-feira, 14, nas províncias de Luanda, Kwanza Norte e Malange.

A paralisação pretende exigir o cumprimento do caderno reivindicativo com 19 pontos entregue a 30 de Dezembro à direcção da empresa dos Caminhos-de-Ferro de Luanda (CFL).

Greve nos caminhos de ferro de Luanda - 1:30
please wait

No media source currently available

0:00 0:01:30 0:00

“Já resolvemos até 80 por cento das divergências, mas o maior impasse está no aumento salarial que a empresa diz não conseguir satiffazer, e nós não vamos recuar”, garante Luiz Júnior, secretário-geral.

Júniro admite que a situação poderá agravar-se caso o Governo não se pronuncie, uma vez que a direcção da empresa diz não ter condições para resolver o problema dos baixos salários.

“A empresa tem um dono, que é o Estado e estamos à espera que o Estado se prununcie”, assegura.

A VOA tentou mais uma vez, contactar Júlio Bangu, presidente do Conselho dos Caminhos de Ferros de Luanda (CFL), mas não obtivemos qualquer resposta.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG