Links de Acesso

Senegal: onda de violência mata cinco pessoas


Dacar, 5 de Março 2021

O Presidente senegalês, Macky Sall, enfrentou pressão crescente neste domingo, 7 de Março, para se manifestar depois que uma onda de violência mortal abalou o país.

Cinco pessoas, incluindo um estudante, foram mortas em dias de confrontos que eclodiram após a prisão de um líder da oposição, a pior violência em anos num país geralmente visto como um farol de estabilidade numa região volátil.

Pessoas incendiaram carros, saquearam lojas e atiraram pedras contra a polícia durante os protestos, o que destacou queixas de longa data sobre padrões de vida e exclusão económica no estado da África Ocidental.

A agitação alarmou as Nações Unidas e os vizinhos do Senegal, que apelaram a todas as partes para mostrarem moderação.

O provedor de justiça do governo do Senegal, Alioune Badara Cissé, também pediu que Macki Sall respondesse à violência, enquanto o país se prepara para uma nova onda de protestos da oposição, marcada para segunda-feira.

"O povo senegalês quer ouvi-lo", disse Cissé em conferência de imprensa na capital, Dacar. "Por que diabos você não falaria com eles?"

"Faça isso antes que seja tarde demais", acrescentou Cissé, que anteriormente actuou como ministro das Relações Exteriores de Sall, mas cujo papel como provedor de justiça é mediar entre as instituições governamentais e salvaguardar os direitos humanos.

Confrontos em Dacar, Senegal. 5 de Março 2021
Confrontos em Dacar, Senegal. 5 de Março 2021

Senegal a duas velocidades

Os confrontos começaram na quarta-feira, após a prisão do líder da oposição, Ousmane Sonko, e transformaram-se em protestos nacionais que só diminuíram no sábado.

Um estudante foi morto quando uma manifestação no sábado na cidade de Diaobe se tornou violenta, somando-se a quatro mortos relatados pelas autoridades na sexta-feira.

No entanto, Sall ainda não abordou a situação publicamente.

"Precisamos parar de ter um Senegal de duas velocidades", disse Cissé, acrescentando que era inevitável "a tampa se abrir" eventualmente.

O Senegal, uma ex-colónia francesa de 16 milhões de habitantes, costuma ser considerado um refúgio de calma na África Ocidental, mas cerca de 40% da população vive abaixo da linha da pobreza.

Sonko, 46, um crítico feroz da elite governante no Senegal, foi preso na quarta-feira sob a acusação de perturbar a ordem pública.

AFP

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG