Links de Acesso

São Tomé e Príncipe: Promessas do Governo levam sindicalistas a suspender greve nos hospitais


Técnicos de Saúde, São Tomé e Príncipe

“A greve está suspensa, mas não está levantada", avisa o sindicalista Ramon dos Prazeres

Os sindicatos dos sectores da Saúde em São Tomé e Príncipe suspenderam a greve convocada para esta terça-feira, 2, em todos hospitais e centros de saúde do país e deram ao governo duas semanas para satisfazer as suas reivindicações.

São Tomé e Príncipe: Promessas do Governo levam sindicalistas a suspender greve nos hospitais
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:27 0:00

O porta-voz dos grevistas, e técnico do laboratório do hospital Ayres de Menezes, Ramom dos Prazeres, explica que, depois de muitas horas de negociação com o governo, os cinco sindicatos da saúde decidiram suspender a paralisação face a algumas garantias do executivo.

“O Governo assumiu e convenceu-nos com documentos que brevemente os hospitais e centros de saúde estarão abastecidos com medicamentos e consumíveis. Esta era a nossa maior reivindicação”, disse Ramom dos Prazeres, sublinhando que o ministério da saúde assumiu também o compromisso de resolver a problemática questão de falta de segurança no recinto hospitalar.

O sindicalista disse que, quanto ao estatuto de carreira das classes, o executivo chefiado por Jorge Bom Jesus comprometeu-se em aprovar o documento dentro de uma semana.

Os sindicatos da saúde também aceitaram a garantia do governo de que a questão do ajuste salarial ficará resolvida em 15 dias, mas deixaram, um aviso ao executivo: “A greve está suspensa, mas não está levantada. Simplesmente vamos dar este período até duas semanas, porque é o tempo que o Governo nos pediu como garantia para criar as condições para trabalharmos”, frisou Dos Prazeres.

Mas para o analista e presidente da Associação dos Direitos Humanos de São Tomé e Príncipe, Óscar Baía, a justificação do porta-voz dos sindicatos não é convincente.

“Não acredito que os próprios técnicos da saúde acreditaram que em duas semanas o Governo vai resolver o que não resolveu em dois anos. Acho que há outra razão por de trás da decisão dos sindicatos em suspender a greve”, disse Baía.

Por outo lado o analista Liberato Moniz considera que o bom senso falou mais alto nas negociações entre as partes.

“Acho que esta cedência tem a ver com bom senso das duas partes. Neste momento de pandemia da Covid-19, com o número de infectados a subir, não faz sentido manter uma greve, por tempo indeterminado em todos hospitais e centros de saúde”, disse Moniz.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG