Links de Acesso

Procurador-Geral dos EUA promete perseguir responsáveis "a qualquer nível" ligados ao motim do Capitólio


procurador-geral dos EUA, Merrick Garland, em discurso no Dept da Justiça horas antes do primeiro aniversário do ataque ao Capitólio por apoiantes do então president Donald Trump

O Procurador-Geral dos EUA Merrick Garland prometeu quarta-feira que os procuradores do Departamento de Justiça perseguirão os funcionários "a qualquer nível" responsáveis pelo motim de Janeiro passado por apoiantes do então Presidente Donald Trump no Capitólio dos EUA.

"Seguiremos os factos aonde quer que conduzam ... o tempo que for preciso", disse Merrick Garland aos advogados e funcionários do Departamento de Justiça na véspera do primeiro aniversário da invasão de horas do Capitólio, o edifício frequentemente visto em todo o mundo como o símbolo da democracia americana.

Garland disse que mais de 725 pessoas que participaram no motim foram presas, algumas acusadas de agressão à polícia, destruição de janelas e portas e pilhagem de escritórios do Congresso, atrasando os legisladores a certificarem que Trump tinha perdido a sua candidatura à reeleição de 2020.

Garland não nomeou nenhum alvo da investigação em curso, mas disse: "As acções que tomámos até agora não serão as nossas últimas".

"Não pode haver regras diferentes para os poderosos e os impotentes", disse ele.

Alguns legisladores democratas começaram a queixar-se do ritmo da investigação e pediram que Trump e os principais adjuntos sejam responsabilizados pelas suas tentativas, no passado dia 6 de Janeiro, de bloquear a certificação do Congresso de que o democrata Joe Biden tinha ganho as eleições presidenciais de Novembro.

Mas Garland disse: "Uma contabilização completa (de como o assalto de 6 de Janeiro ao Capitólio foi planeado e desdobrado) não surge de repente".Acrescentando que os procuradores não têm agenda nem suposições, mas“aprender tudo o que podem sobre o motim.”

"Vamos seguir o dinheiro ... vamos seguir os factos", disse Garland.

O Departamento de Justiça não deu qualquer indicação pública da medida em que poderia tentar responsabilizar Trump e os seus aliados políticos pelo motim.

Num comício perto da Casa Branca, a 6 de Janeiro de 2021, antes do motim, Trump instou milhares de apoiantes a irem ao Capitólio e "lutem com todas as vossas forças" para impedir que os legisladores certificassem a vitória de Biden.

Trump fez a afirmação infundada no comício, como faz até hoje, de que a contagem dos votos foi fraudulenta e despojou-o de um segundo mandato de quatro anos. Numerosas recontagens em estados-chave do campo de batalha político mostraram que a contagem inicial dos votos era altamente exacta e que quaisquer erros limitados não teriam alterado o resultado a favor de Trump.

A missão da comissão congressional

Um comité seleccionado da Câmara dos Representantes está a investigar o motim e está numa luta legal com Trump sobre se deve entregar registos e documentos de chamadas telefónicas chave que possam lançar luz sobre as suas acções conducentes ao caos no Capitólio e durante o mesmo.

Um tribunal de recurso dos EUA em Washington decidiu que a comissão de investigação tem um "interesse vital único" em ver quaisquer documentos relacionados com o motim e o seu planeamento, mas Trump apelou ao Supremo Tribunal dos EUA para anular a decisão do tribunal inferior, dizendo que os seus documentos da Casa Branca deveriam ser protegidos de serem públicos.

O presidente do comité, o congressista democrata Bennie Thompson, disse na conferência de imprensa de domingo que o comité de nove membros está particularmente interessado em saber por que razão Trump resistiu às súplicas da sua filha, Ivanka Trump, legisladores republicanos e funcionários da administração de Trump durante mais de três horas para cancelar o protesto.

Eventualmente, Trump lançou um pequeno vídeo chamando os desordeiros a abandonar o Capitólio, acrescentando: "Nós amamos-te; és muito especial".

No vídeo, Trump mencionou a falsa teoria da conspiração de que ganhou realmente as eleições, dizendo: "Conheço a tua dor; sei que estás ferido. Tivemos uma eleição que nos foi roubada. Foi uma vitória esmagadora, e toda a gente sabe disso. Especialmente o outro lado. Mas agora é preciso ir para casa. Temos de ter paz".

Após o Capitólio ter sido libertado dos manifestantes, o Congresso certificou a vitória eleitoral de Biden na madrugada do dia 7 de Janeiro.

Trump anunciou inicialmente que iria realizar uma conferência de imprensa na quinta-feira no aniversário de um ano do tumulto, mas cancelou-a na terça-feira e disse que iria falar sobre o assunto num comício político a 15 de Janeiro. Trump diz que está a considerar a possibilidade de montar uma campanha para em 2024 recuperar a Casa Branca.

Das mais de 725 pessoas detidas até agora, 225 foram acusadas de agressão ou de resistência à detenção. Mais de 75 dessas pessoas foram acusadas de utilizar uma arma mortífera ou perigosa contra agentes policiais. Os promotores dizem que 140 polícias do Capitólio dos EUA e da cidade de Washington foram feridos durante o ataque.

Até agora, os procuradores em Washington dizem que cerca de 165 indivíduos se declararam culpados de uma variedade de acusações federais, desde delitos a obstrução de crime, tendo 70 arguidos recebido algum tipo de sentença. Destes, 31 pessoas foram condenadas a prisão, e 18 foram condenadas a prisão domiciliária, tendo os restantes 21 arguidos sido colocados em liberdade condicional.

Alguns julgamentos dos arguidos que contestam acusações contra eles estão agendados para o próximo mês.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG