Links de Acesso

População vive misto de espanto e insegurança após assalto de duas vilas de Cabo Delgado


Mocímboa da Praia

Uma semana depois de um grupo de insurgentes assaltar e sitiar as sedes distritais de Mocímboa da Praia e Quissanga, na província moçambicana de Cabo Delegado, a população ainda vive um misto de espanto e incerteza, com milhares a deixarem as vilas.

População vive misto de espanto e insegurança após assalto de duas vilas de Cabo Delegado
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:16 0:00

“Muitos viram o que nunca esperavam ver, a vila inteira ser dirigida por al-Shabab”, disse à VOA Rassul Daude, morador de Quissanga, que descreveu o espanto da população e a ousadia do ataque dos insurgentes, que tornou mais inseguras as aldeias locais.

“A vida não voltou a ser a mesma, isso você percebe nas pessoas. Muitos moradores entenderam a sua vulnerabilidade e por isso deixaram as vilas e outros, sobretudo os nativos sem onde ir permanecem, mas muito inseguros”, explicou um jornalista local, que prefere o anonimato, mas assegurou que em Quissanga os insurgentes não mataram civis.

Limpeza total

Vários relatos de moradores indicam que muitas pessoas que foram identificadas a “divinizar” os insurgentes – muitos são naturais -, durante a sua retirada em Mocímboa da Praia, estão a ser perseguidas e torturadas por forças estatais.

“As únicas infraestruturas públicas que ficaram intatas são a escola secundaria e o hospital de Mocímboa da Praia, onde os insurgentes distribuíram comida aos doentes internados antes de saírem”, relatou um professor de Mocímboa da Praia, que descreveu uma vaga de deslocados e um quase abandono da vila.

Numa semana, cerca de mil deslocados chegaram a Pemba, a capital de Cabo Delegado, em 10 embarcações artesanais, muitas vezes superlotadas, provenientes de Mocímboa da Praia e Quissanga, segundo as autoridades locais.

Do total de deslocados, 250, incluindo 41 crianças. desembarcaram no bairro Paquitequete, um subúrbio nos arredores de Pemba e foram acolhidas em 55 casas, disse Aifo Corrente, um líder local.

Fuga sem nada

Vários deslocados que fugiram dos ataques de insurgentes nos dias 24 e 25 chegaram a Pemba com minúsculas trouxas, dos poucos pertences que conseguiram retirar das casas logo depois de ter cessado a investida militar do grupo localmente conhecido por al-shabab, uma facção do Estado Islâmico.

Um sobrevivente, Badrune Assane, contou que foi detido pelos insurgentes durante o assalto a vila de Quissanga, e foi agrupado a outros homens, enquanto o grupo de atacantes esperava a reação das forças estatais que tinham fugido da vila.

“Eu fui capturado e disseram junto com outros homens para permanecermos ali e diziam que ‘queremos paz`”. contou à VOA Assane, quem conseguiu escapar e levar a mulher e filha para a ilha das Quirimbas numa embarcação artesanal naquela noite.

“Casas de população contam-se, casa do Governo não restou nada”, disse, sublinhando que a “situação não é boa”.

Os insurgentes, prosseguiu Badrune Assane, continuam acampados na aldeia Mbanguia, próximo de Quissanga, “e juram que não vão sair dai até virem os militares estatais”, que continuam for a da região

Muitos deslocados continuam com um futuro incerto, sem saber onde ir, e a esperança de retornar as vilas assaltadas, depois de perder quase tudo.

Supaque Abdala, teve a casa incendiada por insurgentes no ataque a vila de Quissanga, e uma semana depois de escapar o ataque, diz ter a certeza que não quer repetir o que viveu e escolheu não retornar a aldeia.

A incerteza aumentou entre os deslocados quando lhes chegou a noticia da descoberta em Pemba de armas de fogo escondidos num mangal do bairro Chibwabwari, nos arredores de Pemba, onde chegaram também esta semana vários deslocados.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG