Links de Acesso

Polícia proibiu manifestação contra a criminalidade na Catumbela


Foto de arquivo

Alegado ladrão espancado até à morte

A Polícia Nacional de Angola (PNA) impediu uma manifestação contra a criminalidade no município da Catumbela, província de Benguela, prevista para o passado sábado.

Polícia impede manifestação contra o crime – 2:41
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:40 0:00


Horas antes um jovem tinha sido espancado até à morte por alegadamnete roubar cabritos num incidente que reflecte a crescente tensão na zona pelo aumento do crime.

Os organizadores da manifestação lamentaram o que diz ser demonstração de falta de interesse na luta contra assassinatos e furtos, mas a corporação lembra que é preciso observar princípios legais.

Em declarações à VOA, o activista cívico Hugo Calumbo, membro do Movimento para o Desenvolvimento Integral da Cidadania e Direitos Humanos, refere que era grande o aparato policial que impediu uma manifestação para a qual tinham sido observados procedimentos legais junto das autoridades.

"Inicialmente, numa negociação com a Polícia, ficou decidido que mudaríamos o percurso, mas, no local, surpreendentemente com um grande aparato, dizem-nos que não podíamos porque a Administração Municipal não tinha mandado documento”, disse.

Para o activista a grande presença do aparato policial significa que “cai por terra o argumento de que faltam meios e homens para garantir segurança”.

O porta-voz do Comando Provincial da Polícia, Ernesto Chiwale, disse que a causa é nobre, mas salientou que terá faltado a observância da lei.

Horas antes da proibição,Catumbela assistia a mais um caso de assassinato.

Um jovem foi apedrejado após ter sido apanhado, em companhia de dois outros, a roubar cabritos, conforme descreveu Dino Caley, activista e repórter comunitário de uma rádio.

"Foi espancado entre as quatro e as seis horas da manhã.. As pessoas foram acordando e agredindo o jovem. Quando se chamou um carro do INEMA ( Instituto de Emergência Médica já era tarde. Chegou ao hospital já sem vida”, disseo activista.

Há cinco dias, no início de visitas ao interior da província, o comandante provincial da Polícia, comissário Aristófanes dos Santos, tinha a seguinte leitura disse que “a nossa criminalidade continua a ser baixa, isto em termos de números” mas acescentou que “é verdade que há crimes que preocupam”.

O Movimento para o Desenvolvimento Integral da Cidadania e Direitos Humanos promete voltar à carga até conseguir marchar contra o que diz ser aumento da criminalidade na Catumbela, localizada entre Benguela e Lobito.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG