Links de Acesso

Polícia impede manifestação por emprego em Bissau, Governo justifica com desrespeito à lei


Polícia usa gás lacrimogéneo para dispersar manifestantes em Bissau, Guiné-Bissau

Marcha foi convocada pela União Nacional dos Trabalhadores da Guiné (UNTG) para pedir por empregos

A polícia guineense impediu nesta quarta-feira, 14, uma marcha convocada pela União Nacional dos Trabalhadores da Guiné (UNTG), para pedir por mais empregos, tendo recorrido a gás lacrimogéneo.

Enquanto o Governo defende que não houve “autorização” para a marcha e perante o relato de quatro feridos resultantes da carga policial, aquela central sindical convoca uma nova manifestação para o próximo dia 28.

Polícia impede manifestação por emprego em Bissau, Governo justifica com desrespeito à lei
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:39 0:00

Júlio Mendonça, secretário-geral da UNTG responsabilizou "o Presidente da República, o primeiro-ministro e o ministro do Interior por estas violações, pois são eles os autores pela situação".

"Sabem perfeitamente que o que os agentes estão a fazer não coaduna com o que está plasmando na Constituição da República", sublinhou Mendonça.

Os manifestantes, que estavam concentrados à frente da sede da Central Sindical , foram dispersados com de gás lacrimogéneo, sem que pudessem chegar ao Parlamento, o destino final da marcha.

Gueri Gomes, coordenador da Casa dos Direitos, uma das organizações da sociedade civil, que esteve presente na manifestação, condenou a actuação da polícia.

"É grave e desumano lançar gases num espaço fechado. Não é normal impedir uma simples manifestação, porquanto não houve acto de violência e nenhum acto que possa pôr em causa a paz. Trata-se de uma simples manifestação dos trabalhadores que acham que algo não está bem. E usando a força contra a população...a população da Guiné-Bissau tem uma responsabilidade, ser unida e dizer basta", afirmou.

A manifestação deveria ocorrer também nas principais cidades do interior do país, mas houve igualmente a intervenção da polícia, sobretudo, em Bafatá e Gabú (ambas no leste do país), e em Bubaque (Sul insular).

Em entrevista a VOA, o ministro do Turismo e porta-voz Governo, Fernando Vaz, justificou a actuação policial com a falta do cumprimento das normas por parte dos organizadores da marcha:

"Não foi solicitada, como impõe a lei, a autorização para nenhuma manifestação. Esta autorização deve ser dirigida ao presidente da Câmara Municipal de Bissau, que, aliás, está ausente do país, assim como o seu vice-presidente. Portanto, não tendo conhecimento do acto, por parte das pessoas que referi, o Ministério da Administração Interna, perante uma situação de alto risco, não poderia garantir a segurança para os manifestantes sem os tais preceitos legais", sustentou Vaz.

Quanto às criticas de que as autoridades políticas são insensíveis aos direitos e liberdades manifestação, o porta-voz Governo disse que o "sindicato em causa já realizou várias manifestações e não houve nenhuma intransigência do Governo".

"Ora, aquilo que é normal em qualquer país é o cumprimento da lei. Havendo o cumprimento da lei, não há nenhuma intransigência da parte do Governo", concluiu.

Os sindicatos filiados na UNTG exigem o fim dos impostos e subsídios atribuídos aos titulares de órgãos de soberania, nomeadamente os Presidentes da República, do Parlamento, do Supremo Tribunal de Justiça e o Primeiro-ministro.

Para a maior Central Sindical, os valores auferidos mensalmente por aquelas personalidades são exagerados, enquanto os funcionários públicos vivem em condições deploráveis, devido, sobretudo, ao aumento e à introdução de novos impostos e consequente subida de preços de produtos essenciais no mercado interno.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG