Links de Acesso

PGR confirma que investigação na Suíça determinou abertura de Caso São Vicente


Carlos São Vicente, empresário angolano

Em agosto, a PGR tinha dito que não havia inidícios de crime contra o empresário, agora detido

A Procuradoria-Geral da República (PGR) confirma a autenticidade do ofício enviado ao Ministério Público da Suíça, informando que não havia quaisquer indícios de crimes de corrupção contra o empresário Carlos São Vicente.

Procuradoria confirma que ilibou São Vicente junto da Suíça - 2:08
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:08 0:00


O ofício, datado de 13 de Agosto de 2020, a que a VOA teve acesso, foi enviado em resposta a uma carta rogatória das autoridades judiciais helvéticas a propósito do congelamento de 900 milhões de dólares pertencentes ao empresário angolano.

Em declarações à VOA, o porta-voz da PGR , Álvaro João, esclareceu que quando a instituição enviou a carta à Suíça, São Vicente não estava a ser investigado, nem tinha qualquer processo aberto , em Angola, sobre os crimes que agora lhe são imputados.

O magistrado do MP acrescentou que só depois de receber das autoridades da Confederação Suíça mais elementos “para sustentar o que se estava a passar”, a PGR angolana abriu o processo contra o antigo homem forte das AAA.

Álvaro João lembrou que a PGR enviou à Suíça, com este propósito, a responsável pela Recuperação de Activos, Eduarda Rodrigues.

“Só depois da resposta da Suíça e das denúncias internas, principalmente de Carlos Rosado, é que tivemos mais elementos e abrimos o processo de investigação”, acrescentou.

O caso

O empresário Carlos São Vicente, que está em prisão preventiva, foi constituído arguido a 16 de Agosto por suspeita dos crimes de peculato, branqueamento de capitais e tráfico de influência, cometidos enquanto presidente do Conselho de Administração das AAA.

A prisão foi antecedida da apreensão de 49 por cento das participações sociais da AAA Activos no Standard Bank de Angola, SA, sob gestão de Carlos São Vicente

Depois foi a vez dos edifícios AAA em Luanda e em algumas províncias, do edifício IRCA, bem como a rede de hotéis IU e IKA, todos localizados em Luanda.

Entre os bens apreendidos encontra-se também um imóvel, sito no condomínio Sodimo, na Praia do Bispo, que servia de escritório de Manuel Vicente, ex-presidente do Conselho de Administração da Sonangol e antigo vice-presidente da República, os edifícios ADLI, em Luanda, Thike Hotel, também conhecido por “Edifício Tower”.

No condomínio Sodimo foram apreendidos vários imóveis.

Como fiel depositário dos imóveis foi nomeado o Cofre Geral de Justiça.

A esposa de Carlos São Vicente, Irene Nete, filho do primeiro Presidente angolano, também teve os bens congelados em Angola e numa primeira reação disse haver um "massacre judicial e mediático" contra a família dela e aponta o dedo ao poder executivo "que tem uma intolerável interferência" no poder judicial.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG