Links de Acesso

Partidos da oposição em Angola garantem que contas de campanha estão conforme a lei


Tribunal de Contas terá encontrado irregularidades

Quatro dos seis partidos concorrentes às últimas eleições angolanas dizem desconhecer a existência de irregularidades nos seus relatórios de prestação de contas enviados ao Tribunal de Contas por intermédio da Comissão Nacional Eleitoral (CNE).

Despesas eleitorais dos partidos angolanos potas em causa - 2:35
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:35 0:00

UNITA, CASA-CE, FNLA e PRS declararam à VOA que não foram notificados sobre quaisquer falhas na elaboração dos seus relatórios.

Entretano, o jornal Expansão revelou no fim-de-semana que os relatórios daqueles partidos enviados à CNE, em Maio de 2018, carecem de facturas justificativas das despesas feitas, pelo que continuam “engavetados” no Tribunal de Contas.

A deputada da UNITA, Albertina Ngolo, afirma que o seu partido justificou todas as despesas, incluindo as que foram feitas com o dinheiro das doações dos seus militantes.

A parlamentar defende que o Tribunal de Contas devia também exigir dos partidos, incluindo o do poder, explicações sobre a origem de todos os recursos utilizados durante a campanha eleitoral.

Por seu turno, o vice-presidente da CASA-CE, Manuel Fernandes, também garante que a sua organização tem todas as contas em dia e, tal como a deputada Ngolo, considera que “há despesas que não podem ser justificadas com documentos devido à informalidadeda economia angolana”.

O líder da FNLA, Lucas Ngonda, declarou que a experiência do passado fez com que o último relatório de prestação de contas do partido fosse elaborado dentro da lei.

Pelo menos diapasão, o secretário-geral do PRS, Rui Malopa, assegura que o seu partido justificou todas as despesas.

A VOA tentou contactar o porta-voz do MPLA, Paulo Pombolo mas não atendeu as chamadas para os seus habituais números telefónicos.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG