Links de Acesso

Parlamento angolano aprova por unanimidade envio de 20 assessores militares para Moçambique


Angola Militares Soldados Exército

Especialista analisa missão angolana

A Assembleia Nacional (AN) de Angola aprovou nesta terça-feira, 27, por unanimidade o envio de 20 assessores militares para integrar a Força em Estado de Alerta da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC), que vai ajudar Moçambique a combater os insurgentes em Cabo Delgado.

O projecto da resolução, apresentado pelo Presidente da República foi votado por unanimidade com 180 votos ao favor.

Parlamento angolano aprova por unanimidade envio de 20 assessores militares para Moçambique - 2:30
please wait

No media source currently available

0:00 0:01:44 0:00

O ministro de Estado e chefe da Casa de Segurança do Presidente da República, Francisco Pereira Furtado, que defendeu o projecto, informou que a missão, que terá a duração de três meses, tem um custo inicial de 675.500 doláres.

Furtado acrescentou que deve-se incluir "nessa participação a componente dos esforços logísticos e da contribuição da República de Angola na manutenção dessa força na ordem dos 1.174.307 dólares".

Na justificação do voto, o líder do grupo parlamentar da UNITA, Liberty Chiyaka, disse que foi um voto a para manifestar a sua solidariedade com o povo de Moçambique que atravessa momentos críticos.

"Entendemos que para haver um desenvolvimento sustentável no continente africano e na região da SADC é preciso haver estabilidade, paz, democracia e boa-governação", afirmou Chiyaka.

Por seu lado, o presidente da FNLA, Lucas Ngonda, saudou a atitude do Presidente da República em solicitar a autorização da AN, lembrando que "antigamente o Executivo era quem decidia, desvalorizando o Parlamento".

O presidente do PRS, Benedito Daniel, reconheceu que um conflito em Moçambique é um problema para todos os Estados membros da SADC, mas disse esperar que "Angola não vá ingerir-se nessa missão, porque os objectivos estão definidos".

As forças angolanas deverão participar com dois oficiais no Mecanismo de Cooperação Regional (RMC), oito oficiais no Comando da Força e dez tripulantes para aeronave de Projecção Aérea Estratégica do tipo IL-76.

Osvaldo Mboko, especialista em relações internacionais, aprova a estratégia de Angola em enviar apenas 20 oficiais técnicos especializados em matérias de defesa.

“A estratégia de Angola tem a ver com facto de não tendo tropas no terreno, poder assessorar, e é uma estratégia bem pensada. Tem muito a ver com o desconhecimento da área geográfica e as dinâmicas dos acontecimentos, porque podem ser factores para quedas das tropas de outros países”, afirma.

Mboko lembra que "assessorar também é uma forma de apoiar e Angola vai poder emprestar a experiênciano domínio militar... e parece que para além da assessoria vai poder também enviar meios militares”.

A Força em Estado de Alerta da SADC começou a chegar a Moçambique, onde já se encontram tropas da África do Sul e do Botswana, enquanto um contingente do Zimbabwe está de prontidão e pronto para viajar para Cabo Delgado.

Há três semanas começaram a chegar cerca de mil tropas do Ruanda para apoiar no combate ao terrorismo, mas a nível bilateral, já que o país não integra a SADC.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG