Links de Acesso

Países vizinhos questionam seriedade do Governo de Moçambique no combate à insurgência


Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, assume presidência da SADC, Maputo, 17 agosto 2020

Analistas questionam presença de tropas estrangeiras no país e resposta de Maputo

A publicação Daily Maverick, citando um oficial da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral ( SADC) diz que durante a recente cimeira da Comunidade, o Governo de Moçambique apresentou alguns elementos de um plano de resposta regional à insurgência, mas que requer mais informações detalhadas.

Países vizinhos questionam seriedade do Governo de Moçambique no combate à insurgência
please wait

No media source currently available

0:00 0:03:07 0:00

Alguns analistas dizem que o Executivo de Filipe Nyusi, ao prescindir do apoio da SADC no combate à insurgência em Cabo Delgado, quer evitar dar protagonismo a tropas estrangeiras no território nacional, mas outros consideram que essa ajuda é fundamental porque o país não está a conseguir conter os ataques, numa altura em que alguns Estados da região começam a questionar a seriedade de Moçambique relativamente a este assunto.

De acordo com aquela publicação, outros governos da África Austral começam a perguntar-se até que ponto o Governo de Maputo é sério em relação à busca de ajuda na luta contra a crescente insurgência islâmica em Cabo Delgado, acrescentando que o Presidente Filipe Nyusi nem se preocupou em participar na cimeira de Gaberone, no Botswana, no passado dia 27, para discutir esta matéria.

Em vez disso, Nyusi enviou o ministro da Defesa nacional, Jaime Neto, que apresentou aos líderes regionais uma lista de compras de equipamento militar que Moçambique precisa para combater os insurgentes e não um plano coerente.

Para alguns analistas, o plano coerente exigido, seria, eventualmente em termos de tropas a enviar para Moçambique.

O analista Borges Namire considera que isso depende muito do tempo e da intensidade dos ataques, afirmando que se estes durarem muito mais tempo Moçambique vai ter que aceitar tropas estrangeiras.

"Esta é uma decisão que deve ser tomada com muita cautela, penso que Moçambique pode pedir ajuda em determinadas áreas, como controlo da fronteiras e recolha de informações, mas ter forças militares, no terreno, a combater, isso exige ponderação e um debate muito mais alargado", avança aquele analista.

Moçambique tem um histórico de intervenção de forças armadas da Tanzânia e do Zimbabwe que apoiaram na luta contra a Renamo, o apartheid e o regime rodesiano de Ian Smith.

Em alguns círculos de opinião, inclusive do próprio Executivo, afirma-se que este histórico deve ser evitado.

O analista Calton Cadeado é defensor deste ponto de vista porque, diz, "é difícil de controlar, sobretudo quando o compromisso for para colocar muitas tropas estrangeiras no solo moçambicano.

“Eu penso que Moçambique quer evitar dar protagonismo a forças estrangeiras no país", conclui.

Contudo, para o analista Adriano Nuvunga, " a intervenção da SADC em Cabo Delgado é urgente porque Moçambique não está a conseguir deter o avanço e a consolidação da insurgência militar islâmica naquela província".

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG