Links de Acesso

Organizações não governamentais acusam Presidente moçambicano de falta de transparência


Filipe Nyusi, Presidente de Moçambique

Organizações da sociedade civil em Moçambique acusam o Governo de violar a lei por fazer ajuste direto de obras, num contexto em que não há transparência na gestão dos apoios financeiros recebidos durante o estado de emergência.

Organizações não governamentais acusam Presidente moçambicano de falta de transparência
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:37 0:00

Em nome do Fórum de Monitoria do Orçamento (FMO), que integra várias organizações da sociedade civil, o diretor do Centro para a Democracia e Desenvolvimento (CDD), Adriano Nuvunga, criticou o fato de o relatório original sobre o fim do estado de emergência, que o Presidente da República, Filipe Nyusi, enviou ao Parlamento, não fornecer detalhes sobre os fundos disponibilizados por parceiros.

O documento vai ser debatido esta terça-feira, 4, em sessão extraordinária da Assembleia da República.

O Parlamento anunciou, entretanto, ter ja recebido do Governo uma adenda relativa à matéria, e Adriano Nuvunga considera que o Executivo "foi forçado a fazê-la porque não tinha intenção de partilhar a informação com os moçambicanos".

"Essa informação revela o que já se esperava; o ajuste direto de obras a empresas, em clara violação da lei, num quadro onde não há transparência, relativamente a que empresas esse dinheiro foi canalizado e para que serviços em concreto", acusa Adriano Nuvunga.

As organizações da sociedade civil estão a preparar uma solicitação aos ministérios da Economia e Finanças e da Saúde, "para que nos indiquem as empresas que beneficiaram e o que vão fazer com o dinheiro, porque o nosso receio é que esses fundos sejam desviados para a corrupção", acrescenta Nuvunga.

Refira-se que em março do presente ano, o Governo moçambicano pediu a parceiros, em Maputo, um apoio financeiro de 700 milhões de dólares para cobrir o défice provocado pela pandemia do Covid-19 no Orçamento de Estado, assim como para financiar o combate à doença e dar apoio aos mais vulneráveis.

Para a sociedade civil, " tendo em conta a grave crise sobretudo social provocada por esta pandemia, o Governo é desafiado a ser mais transparente na gestão dos apoios que recebe dos diferentes parceiros".

O Ministério da Economia e Finanças, na voz do seu assessor, Rogério Nkono, diz que entre outras áreas, os apoios estão a ser aplicados em ações visando minimizar o impacto do Covid-19 sobre as famílias mais desfavorecidas.

No seu relatório ao Parlamento, o Chefe de Estado explica que dos 700 milhões de dólares solicitados, Moçambique já recebeu 340,8 milhões de dólares, 309 milhões dos quais do Fundo Monetário Internacional.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG