Links de Acesso

ONU apela a 254 milhōes para ajuda humanitária a Moçambique


Moçambique, deslocados Cabo Delgado

A ONU e seus parceiros apelaram esta sexta-feira 254 milhões de dólares para ajuda humanitária de emergência a Moçambique, onde mais de um milhão de pessoas são ameaçadas pela violência na província de Cabo Delgado (norte) e áreas vizinhas.

"A crise em Cabo Delgado aumentou rapidamente em 2020, com ataques e combates obrigando dezenas de milhares de pessoas a abandonar as suas casas todos os meses", afirmou a ONU em comunicado.

“Quase 530.000 pessoas encontram-se agora deslocadas na própria (província de) Cabo Delgado, mas também nas províncias de Nampula e Niassa, quase 5 vezes mais do que o número registado em Março de 2020,” acrescentou este comunicado.

“A ajuda humanitária é vital para minimizar o sofrimento”, explicou Myrta Kaulard, coordenadora humanitária em Moçambique, acrescentando que estes deslocados foram forçados a fugir apenas com as roupas que vestiam.

“Mulheres e meninas correm o risco de ser sequestradas, assim como de violência e exploração por causa de seu género, os próprios meninos correm o risco de serem mortos ou recrutados à força por actores armados”, disse Kaulard, indicando que estava particularmente preocupada com as pessoas que viviam em lugares isolados.

A coordenadora humanitária sublinhou até que esta violência e deslocamento forçado pesaram sobre os serviços essenciais que já estavam à beira do colapso.

Mais de 90% dos deslocados vivem com familiares ou amigos cujos recursos já eram escassos. Para aumentar este quadro sombrio, a ONU aponta que muitos lugares que hospedam pessoas deslocadas serão inundados durante a próxima estação chuvosa. As autoridades locais e as organizações de ajuda humanitária correm contra o tempo para montar campos para realojar essas pessoas deslocadas.

No total, 570 mil pessoas fugiram da violência no norte do país, disse quarta-feira o presidente moçambicano Filipe Nyusi, referindo que os islâmicos armados que há três anos aterrorizam a estratégica província por ser rica em gás de Cabo Delgado são liderados por Tanzanianos, que desde 2012 vêm trabalhando para radicalizar a população local.

O conflito deixou 2.400 mortos, mais da metade deles civis, de acordo com a ONG ACLED, que também lista mais de 700 ataques desde outubro de 2017.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG