Links de Acesso

ONU alerta para "aumento preocupante" do tráfico de opioides em África


Apreensões no continente representam 87% do total a nível mundial

O continente africano continua a ser uma das principais regiões de trânsito de cocaína e vê crescer o mercado de estupefacientes, revela um relatório do Conselho Internacional de Controlo de Estupefacientes das Nações Unidas, divulgado nesta terça-feira, 5, em Viena, na Áustria.

O documento alerta para o aumento "preocupante" do tráfico de opioides sintéticos na região, que representaram 87% daqueles produtos farmacêuticos apreendidos em todo o mundo

Entre os lusófonos, Moçambique é visto como um dos países de trânsito ou destino de precursores de droga, enquanto Cabo Verde é destacado pelo trabalho realizado na identificação do uso de drogas entre a população escolar e pelo reforço da capacidade de combate ao tráfico.

O relatório das Nações Unidas conclui, que enquanto a África Central e Ocidental eram anteriormente as principais áreas para o tráfico de cocaína, em 2016, “a sub-região do norte de África concentrou 69% de todas as apreensões de cocaína, com as quantidades apreendidas a duplicarem em relação ao ano anterior”.

Além de ser um corredor de trânsito, o continente africano vê crescer o mercado de várias drogas, principalmente cocaína, heroína e canábis, sendo esta a mais consumida pelos africanos.

O Conselho Internacional de Controlo de Estupefacientes das Nações Unidas alerta ainda para o "crescente" e "preocupante" aumento do consumo e tráfico de opioides sintéticos, particularmente o tramadol, em algumas regiões africanas.

“As regiões da África Central, Ocidental e do Norte representaram 87% dos opioides farmacêuticos apreendidos em todo o mundo, na sua quase totalidade apreensões de tramadol, adianta o estudo, que citando dados de 2018 do Escritório das Nações Unidas para as Drogas e o Crime.

Entre os lusófonos, Moçambique é apontado como um dos países de trânsito ou destino dos chamados "precursores de droga", produtos químicos utilizados na produção de estupefacientes e substâncias psicotrópicas.

Neste particular, de acordo dados de instituições portuguesas, os investigadores da ONU inferem que o país é um novo ponto de trânsito para a entrada da heroína em Portugal.

No lado oposto, as autoridades de Cabo Verde merecem nota positiva pelo trabalho realizado na identificação do uso de drogas entre a população escolar e pelo reforço da capacidade de combate ao tráfico de droga.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG