Links de Acesso

Nyusi e Magufuli abordam terrorismo na África Austral


Filipe Nyusi, Presidente de Moçambique (Foto de Arquivo)

Presidentes de Moçambique e da Tanzânia não revelaram teor das conversas consideradas necessárias por analistas

O Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, deslocou-se nesta segunda-feira, 11, à vizinha Tanzânia para uma visita que ocorre numa altura em que os dois países da África Austral estão a ser cada vez mais afectados pelo terrorismo.

Nyusi e Magufuli abordam terrorismo na África Austral
please wait

No media source currently available

0:00 0:03:31 0:00

Nyusi manteve conversações com o seu homólogo tanzaniano, John Magufuli, para a definição de estratégias visando enfrentar, com eficácia, o terrorismo nos dois países vizinhos, particularmente em Moçambique.

As conversações foram antecedidas por contactos entre representantes das forças de defesa e segurança dos dois países, em que os ataques terroristas foram tema dominante.

Em meios políticos e académicos afirma-se que esta visita impõe-se, tendo em conta que já houve incursões jihadistas em território tanzaniano e o facto de que do lado da Tanzania havia, no início, menos abertura para a discussão da questão do terrorismo em Moçambique.

Até agora, não houve qualquer comentário dos dois chefes de Estado sobre o encontro.

Para o analista político e director executivo do Centro para a Democracia e Desenvolvimento (CDD), Adriano Nuvunga, a visita de Filipe Nyusi à Tanzania impõe-se numa altura em que os dois países sofrem de ataques terroristas "e é preciso encontrar uma solução para isso".

Papel da SADC

Nuvunga refere que os contactos bilaterais são importantes, mas os mesmos deviam acontecer também no quadro da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC), em tanto que organismo regional.

Refira-se que Moçambique e a Tanzânia assinaram, em 2020, um Memorando de Entendimento sobre o patrulhamento conjunto da fronteira marítima entre os dois países.

A visita do estadista moçambicano tem lugar numa altura em que em alguns círculos de opinião se afirma que a Tanzânia não tem cooperado o suficiente na luta contra o terrorismo em Cabo Delgado.

O académico Calton Cadeado diz ser necessário respeitar essas opiniões, "mas mais do que olharmos só para o lado da Tanzânia, é preciso também olhar para o lado de Moçambique, sobretudo como é que o país faz o combate ao terrorismo".

"Será que Moçambique já deixou clara a sua abordagem sobre o terrorismo aos outros países da região, sobretudo a Tanzânia", interroga-se aquele académico.

Entretanto, no debate político nacional questiona-se por que é que Maputo não pede ajuda à Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) para o combate à insurgência em Cabo Delgado.

Para Adriano Nuvunga, a posição do Executivo é de alguma maneira compreensível "porque o envolvimento de forças estrangeiros tem sempre um custo".

Nuvunga avança que "nós vimos isso na República Democrática do Congo, onde o envolvimento da própria SADC não foi necessariamente bem sucedido, com tropas a não se comportarem bem, no que diz respeito aos minerais".

Aquele investigador anota que "há sempre um cuidado a ter, mas o que não se deve fazer é deixar a SADC à margem porque o conflito em Cabo Delgado afecta também a organização regional".

Refira-se que neste fim-de-semana, o comandante-geral da Polícia moçambicana, Bernardino Rafael, anunciou que as Forças de Defesa e Segurança frustraram, na passada quinta-feira, 7, um ataque dos insurgentes à ilha de Matemo, no distrito do Ibo, Cabo Delgado, graças à colaboração das comunidades.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG