Links de Acesso

Novo ataque fere duas pessoas na província moçambicana de Sofala


Estrada N1 Save-Muxúnguè, Sofala, Moçambique (Foto de Arquivo)

Líder da autoproclamada Junta Militar da Renamo nega responsabilidade no ataque que acontece depois do fim da trégua anunciada pelo Presidente

Um novo ataque de um grupo armado contra um autocarro de passageiros feriu duas pessoas de forma ligeira, no início da manhã desta terça-feira, 3, na fronteira entre os distritos de Gorongosa e Nhamatanda, na província moçambicana de Sofala.

O ataque ocorre três dias depois do fim do prazo de uma trégua unilateral de sete dias declarada pelo Presidente da República, na qual as Forças de Defesa e Segurança (FDS) suspenderam qualquer perseguição a membros da autoproclamada Junta Militar da Renamo para permitir aproximação com o grupo dissidente da Renamo e colocam um fim a meses de emboscadas de viaturas em estradas do centro de Moçambique.

Testemunhas no local disseram à VOA que uma mulher ficou ferida por bala na perna e um jovem foi atingido por vários estilhaços de vidros na cabeça durante o ataque contra o autocarro da transportadora Maning Nice, que ocorreu cerca das 6:00 horas locais na localidade de Matenga, em Sofala.

“Saímos de Chimoio quando eram 5:00 horas e 40 quilómetros depois do Inchope fomos atacados. De repente, começamos a ouvir tiros contra o nosso carro e por sorte as pessoas sofreram de forma ligeira”, contou à VOA Felícia Joaquim, que viajava no autocarro.

O autocarro, prosseguiu Felícia Joaquim, foi atingido por balas nos dois lados, o que deu a entender que “os atiradores estavam nas duas margens da estrada”, deixando vários vidros de janelas com perfurações de balas ou partidos.

“Todos nós ficamos em pânico, foi difícil encarar a situação. Não tinha chegado o nosso dia (de morrer)”, devido à quantidade de perfurações de balas no autocarro e os danos na viatura, descreveu Ezequiel Tomás, outro passageiro.

O autocarro que partiu de Chimoio, a capital de Manica, centro, tinha como destino a cidade de Nampula, no norte de Moçambique.

A zona do ataque tem um historial de emboscadas a viaturas civis desde o reinício das incursões armadas atribuídas, pelas autoridades, à autoproclamada Junta Militar da Renamo, um grupo de dissidentes do maior partido da oposição em Moçambique.

Em declarações à VOA, o líder dissidente, Mariano Nhongo, negou a autoria do ataque e assegurou desconhecer o novo incidente.

Já a Polícia de Sofala prometeu pronunciar-se sobre o ataque nas próximas horas.

O líder dissidente da Renamo, Mariano Nhongo, revelou no domingo, ter fracassado o novo esforço de negociações de paz com Maputo, após acusações de sucessivas violações da trégua de sete dias, decretada por Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, e que terminou a 31 de outubro.

Em junho de 2019, após a eleição de Ossufo Momade um grupo de guerrilheiros liderado por Mariano Nhongo incompatibilizou-se com o substituto de Afonso Dhlakama e opuseram-se ao acordo de desmilitarização, desarmamento e reintegração assinado entre o Governo e a Renamo.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG