Links de Acesso

Negócios ilícitos alimentam a violência em Cabo Delgado


Madeira. Foto de arquivo

A economia ilícita alimentou a corrupção, manteve as fronteiras e o litoral poroso e afectou a legitimidade do Estado, diz um estudo da Iniciativa Global Contra o Crime Transnacional Organizado.

A recente onda de violência em Cabo Delgado, norte de Moçambique por militantes extremistas foi financiada pela economia ilícita do país, diz um relatório da Iniciativa Global Contra o Crime Transnacional Organizado, recentemente lançado.

Negócios ilícitos alimentam a violência em Cabo Delgado
please wait

No media source currently available

0:00 0:03:01 0:00

O relatório enfatiza que o envolvimento do governo moçambicano no tráfico de drogas, contrabando humano e caça de animais selvagens frustra os seus esforços para combater o grupo chamado al-Shabab.

A economia ilícita alimentou a corrupção, manteve as fronteiras e o litoral poroso e afectou a legitimidade do Estado, diz aquela organização.

“As figuras políticas, o partido no poder e seus associados criminosos de elite têm se beneficiado abertamente da extração lícita e ilícita de recursos naturais, enquanto a comunidade local tem sido punida por se envolver em economias informais ilegais e negado os benefícios do investimento formal, diz a Global Initiative.

Desde o início de ataques, em Outubro de 2017, o governo de Moçambique prometeu eliminar o grupo, mas um ano depois os ataques continuaram.

Pelo menos 90 pessoas foram mortas e centenas de casas incendiadas pelos atacantes nos distritos de Palma, Macomia, Mocímboa da Praia ou Mueda.

Recentemente iniciou, na cidade de Pemba, capital de Cabo Delgado, o julgamento de cerca de 200 pessoas acusadas de envolvimento nos ataques, incluindo tanzanianos.

Localmente os atacantes são chamados Al Shabab, mas o grupo islamita somali com este nome nunca reivindicou qualquer associação.

Simone Hayson, que fez o estudo, diz que “não foi encontrada nenhuma ligação comprovada destes atacantes e movimentos terroristas internacionais como Al Qaeda, Estado Islâmico, ou Al Shabab, e fica em aberto a possibilidade de ser um fenómeno regional”.

Hayson diz ainda que há algumas indicações sobre contactos do grupo com países vizinhos e distantes como Quénia (norte), mas não se conhece a nível dessas ligações ou se há alguma liderança vinda desses lados, “essas são questões que ainda não percebemos”.

Quanto à possibilidade de o movimento perturbar as operações de empresas do sector de gás em Palma, Hayson tem dúvidas, porque, de momento, não parecem ter a capacidade militar para tal. “Eles podem perturbar aldeões e potencialmente trabalhadores de ONGS”.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG