Links de Acesso

Na vésperas do discurso de João Lourenço, PAM diz que mais de 1,5 milhões fazem face à fome


Activistas em Benguela pedem que o Presidente anuncie medidas de emergência para combater a fome e seca no discurso sobre o estado da nação

O Programa Alimentar Mundial (PAM) revelou que 1.580.000 pessoas estão agora numa situação de “insegurança alimentar aguda” no sudoeste de Angola.

Segundo a organização, 114 mil crianças com idade inferior a cinco anos “necessitam urgentemente de tratamento para má nutrição aguda”

No quinto discurso sobre o estado da nação, a ser preferido nesta sexta-feira, 15, João Lourenço é convidado por activistas em Benguela a anunciar medidas contra a insegurança alimentar que se vive nessa zona.

O que espera Benguela de discurso de João Lourenço – 1:48
please wait

No media source currently available

0:00 0:01:48 0:00

José Maria Katyavala, secretário do Conselho Directivo da Acção para o Desenvolvimento Rural e Ambiente (ADRA), espera ouvir de Lourenço acções contra a penúria alimentar em Angola.

“Espero o anúncio de medidas consistentes e rigorosas para o problema da seca e suas consequências noagravamento da insegurança alimentar, particularmente no Sul do país”, diz.

“Precisamos de colocar em marcha um programa de emergência para aliviar o sofrimento das populações”, acrscenta o técnico agrário para quem “é também minha expectativa ouvir uma política económica com foco na prática agrícola”.

Na mesma linha de pensamento, o consultor social João Misselo da Silva, quadro da Organização Humanitária Internacional (OHI), sugere um discurso que marque o fim do que chama de sucessivos erros nos últimos quatro anos.

“São quatro anos de fracasso em termos de combate à pobreza, de aumento do desemprego” disse acrescentando que “por isso esperamos melhorias em termos de orçamentos para acções em prol das famílias em vulnerabilidade”, conclui aquele consultor.

Na segunda-feira, 11, a Conferência Episcopal de Angola e São Tomé (CEAST) apontou as províncias da Huíla, Namibe e Cunene para sustentar a tese de estado de emergência, mas disse que assaltos a camiões com alimentos, em Benguela, e recurso ao lixo como forma de garantir alimentos reflectem a situação humanitária nacional.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG