Links de Acesso

Não haverá impunidade para os abusos da polícia da Colômbia, diz director nacional


Um acrobata está sobre os manifestantes enquanto eles marcham durante um protesto anti-governamental em Bogotá, Colômbia, 12 de Maio, 2021.

Membros da força policial nacional da Colômbia responsáveis por abusos ou actos de violência durante os protestos que decorrem serão punidos em toda a extensão da lei, disse o chefe da força.

Manifestantes e grupos de direitos humanos acusaram repetidamente os agentes de matar civis, de uso excessivo da força, abuso sexual e uso de armas de fogo, tanto durante os protestos actuais quanto nos anteriores.

Acusações de possível abuso de um menor na cidade de Popayan geraram protestos violentos nesta semana.

Pessoas participam de um protesto contra a agressão sexual pela polícia e o uso excessivo da força contra protestos pacíficos, em Bogotá, Colômbia, 15 de Maio de 2021.
Pessoas participam de um protesto contra a agressão sexual pela polícia e o uso excessivo da força contra protestos pacíficos, em Bogotá, Colômbia, 15 de Maio de 2021.

"Eles devem responder perante as autoridades e quem quer que tenha cometido um crime conscientemente; a resposta terá todo o peso da lei", disse o director da polícia nacional, general Jorge Luis Vargas, em entrevista à Reuters.

"Somos os primeiros a rejeitar o comportamento ilegal de um oficial e pediremos perdão quando houver uma decisão judicial", disse Vargas.

Vargas disse que 122 processos disciplinares foram abertos contra a polícia desde o início dos protestos no mês passado, enquanto três foram presos por acusações de assassinato vinculadas a mortes de civis.

"Não pode haver, não deve haver e não haverá impunidade", disse o veterano da polícia, há 30 anos na força.

Os agentes acusados terão o devido processo, disse ele, acrescentando que os polícias também foram vítimas de agressão física, ataques com arma de fogo e um incidente em que uma multidão ateou fogo a uma esquadra.

Um polícia morreu e perto de 900 ficaram feridos.

A polícia que interveio para controlar saques e vandalismo durante os protestos não usou armas de fogo, disse Vargas. Em vez disso, armas não letais são empregadas de acordo com as regras nacionais e internacionais.

Grupos como o Human Rights Watch afirmam que o uso indevido de armas não letais pode levar à morte.

Os manifestantes, que originalmente convocaram marchas contra um plano fiscal agora cancelado, expandiram as demandas para incluir uma rendimento básico, o fim da violência policial e oportunidades para os jovens, entre outras coisas.

O número de mortos nos protestos é contestado. O mediador dos direitos humanos está a investigar 41 mortes de civis, enquanto o gabinete do Procurador-Geral confirmou 14.

Os bloqueios de estradas serão interrompidos pela polícia sempre que o governo ordenar, disse Vargas, repetindo acusações de que grupos criminosos e guerrilheiros se infiltraram em protestos para fomentar a violência.

Políticos de esquerda e grupos de estudantes há muito exigem que a polícia seja transferida para fora do controle do Ministério da Defesa, o uso de armas letais durante os protestos seja proibido, a tropa de choque dissolvida e os polícias implicados em abusos sejam julgados em tribunais civis e não militares.

Vargas descartou a dissolução do esquadrão de choque, mas disse que apoia mais opções para punir o abuso policial.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG