Links de Acesso

Mulheres são-tomenses vestem-se de preto contra violência doméstica e o abuso sexual de menores


Mulheres são-tomenses protestam contra violência e abuso sexeual de menores

Plataforma da Sociedade Civil pede 12 de Maio como Dia Nacional de Prevenção e Combate a Violência Sexual. 

Centenas de mulheres em São Tomé e Príncipe vestiram-se de preto, nesta segunda feira, 8 de Março, Dia Internacional da Mulher, como protesto contra a violência doméstica e o abuso sexual de menores no país.

Mulheres são-tomenses vestem-se de preto contra violência doméstica e o abuso sexual de menores
please wait

No media source currently available

0:00 0:03:48 0:00

A iniciativa integra 10 associações de defesa das mulheres que criaram a Plataforma da Sociedade Civil Contra a Violência no Lar e Abuso Sexual de Crianças, que congratula-se com a discussão no Parlamento da legislação que agrava a pena de prisão para os crimes de abuso sexual de menores.

O "luto", representado na roupa das mulheres, invadiu a maioria das instituições públicas e privadas do país.

“É luto pelas centenas de crianças abusadas no nosso país perante a passividade de todos. É luto pelo medo que temos de podermos ser violentadas, tanto nós como as nossas crianças”, desabafa, Jéssica Neves, porta-voz da Plataforma que formalizou um pedido à Assembleia Nacional para que 12 de Maio seja institucionalizado como Dia Nacional de Prevenção e Combate a Violência Sexual.

“Foi nesse dia, em 2016, que três mulheres foram assassinadas no país. Uma adolescente estava a ser abusada pelo seu padrasto, a mãe denunciou-lhe e ele quando sobe matou a mulher e as suas duas filhas. Nós queremos que esta data fique assinalada”, frisa a porta-voz da Plataforma.

“Quebre o Silêncio, Chega de Abuso Sexual”, é o lema que esta iniciativa da sociedade civil pretende travar os crimes de violência sexual no país.

“Os dados oficiais de 2020 sobre os casos de violência doméstica e de abuso sexual de crianças são assustadores”, afirma Jéssica Neves, acrescentando que as mulheres são-tomenses são também vítimas de um outro tipo de violência que ainda é tabu na sociedade, a violência emocional.

“Muitos homens têm várias mulheres e nós temos que aceitar e sofrer caladas porque muitas de nós dependemos financeiramente deles”, sublinha.

A Plataforma da Sociedade Civil Contra a Violência Sexual em São Tomé e Príncipe vê com muita preocupação os estragos sociais e físicos provocados pelo abuso sexual de crianças e congratula-se com o agravamento da pena de prisão em discussão no parlamento.

“Muitas crianças abandonam a escolas e têm problemas no útero, tudo devido ao abuso sexual. Também sabemos que em muitos casos os abusadores são os padrastos e as mães até ficam do lado deles porque são dependentes economicamente”, lamentou Jéssica Neves, quem sublinha que nos últimos 11 meses a pandemia da Covid-19 agravou a situação económica de muitas mulheres são-tomenses.

“Muitas mulheres perderam o seu emprego. Nós somos as maiores vítimas da crise provocada pela Covid-19 em São Tomé e Príncipe”, conclui a porta-voz da Plataforma que promete lutar pelas mulheres no país.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG