Links de Acesso

Moçambique necessita de radares para melhor resposta a desastres naturais


Mussa Mustáfa admite que cobertura vai melhorar

Os desastres provocados por fenómenos naturais são cada vez mais frequentes e mortíferos e, se se tiver em conta o problema das mudanças climáticas, é de esperar que calamidades como ciclones e cheias assolem Moçambique com mais violência.

O Instituto Nacional de Meteorologia de Moçambique (INAM) tem agora melhores condições para fazer a análise e previsão do tempo, mas está claro que ainda falta equipamento para que possa realizar um trabalho mais eficaz.

Depois das devastadoras cheias do ano 2000, o Governo adquiriu, na Alemanha, dois radares, um montado na cidade da Beira, e outro em Xai-Xai, no sul de Moçambique, que, por vários motivos, não estão a funcionar e a sua tecnologia pode já estar ultrapassada.

Estudos feitos mostram que, para se ter uma cobertura efectiva, o país precisaria de pelo menos sete radares.

Mussa Mustafa, director-geral adjunto do INAM, diz que existe um Plano Estratégico que prevê a mobilização de 50 milhões de dólares americanos, para, entre outras coisas, comprar e instalar radares.

Mas apenas três a serem instalados em Nacala, Beira e Xai-Xai.

Mustafa diz que “os radares são caros e a sua instalação é um processo complexo.

Para uma cobertura mais eficaz do território nacional, Mussa Mustafa acrescenta que o INAM precisaria de ter pelo menos mais 114 estações meteorológicas automáticas, consideradas importantes para a navegação aérea

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG