Links de Acesso

Moçambique, a hora de rever as infraestruturas


Analistas apontam para necessidade de mudanças

Analistas moçambicanos advogam a necessidade de investir na construção de infraestruturas hidráulicas para evitar que os efeitos das calamidades naturais sejam tão catastróficos como os do ciclone Idai e advertem que sem alternativas as pessoas não vão abandonar as zonas de risco.

Estes analistas dizem que há uma série de acções que Moçambique deve levar a cabo, face aos efeitos das calamidades naturais, entre as quais a construção de diques de defesa e de infraestruturas hidráulicas, para além do fortalecimento dos sistemas de monitoria e de informação.

Entrevista exclusiva: Daviz Simango diz que cerca de 100 mil famílias na Beira precisam de apoio
please wait

No media source currently available

0:00 0:03:32 0:00

Agostinho Vilanculos, do Departamento de Gestão das Bacias Hidrográficas de Moçambique diz que, tecnicamente, é possível conviver com os fenómenos naturais, tal como o fazem os holandeses.

"A Holanda é um país que está abaixo do nível médio das águas do mar; eles investiram muito nas infraestruturas hidráulicas de retenção, e hoje eles têm uma outra abordagem em relação a estes fenómenos", defende Agostinho Vilanculos.

Há quem afirme que o reduzido número de infra-estruturas hidráulicas na zona centro fez com que os efeitos do ciclone Idai fossem bastante severos, tanto em termos de vítimas humanas como em termos de destruição de bens.

Resposta americana ao ciclone Idai inclui clínica de emergência em Buzi
please wait

No media source currently available

0:00 0:00:38 0:00

Vilanculos reconhece que Moçambique investe muito pouco na construção de infraestruturas hidráulicas, sublinhando que na bacia do Buzi "só temos uma infraestrutura hidráulica, que é a barragem do Chicamba, e na bacia do Púngoè não temos nenhuma infraestrutura neste momento".

Muitas pessoas interrogam-se por que este drama humano, uma vez que se afirma que Moçambique evoluiu muito em termos de sistemas de informação e monitoria?

O director-geral adjunto do Instituto Nacional de Meteorologia, Mussa Mustafa, diz que o sistema de aviso prévio "funcionou muito bem", mas sustenta que "o problema é porque as pessoas não acreditam na informação que é transmitida".

Ajuda americana chega com filtros de água para evitar cólera
please wait

No media source currently available

0:00 0:01:05 0:00

Entretanto, o economista Constantino Marrengula é de opinião que há um problema com a informação que é transmitida às pessoas.

"É preciso melhorar a informação, mas, acima de tudo, dar alternativas às pessoas para poderem sair das zonas de risco", defende o analista.

O Governo moçambicano actualizou nesta terça-feira, 2, o número de mortos devido ao ciclone Idai em 598.

Saiba mais em Especial Ciclone Idai

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG