Links de Acesso

Ministro da Saúde de São Tomé e Príncipe demite-se do cargo


Edgar Neves, ministro da Saúde, São Tomé e Príncipe

Edgar Neves disse ter "feito uma análise profunda da situação" e em "consulta profunda" com a família, amigos e o partido MDFM-UDD

O ministro da Saúde de São Tomé e Príncipe, Edgar Neves, confirmou neste sábado, 22, ter pedido a sua demissão ao primeiro-ministro, Jorge Bom Jesus, na sequência e desentendimentos entre ele e os profissionais do sector, quanto à falta de medicamentos e condições de trabalho no Sistema Nacional de Saúde.

As trocas de acusações de incompetência e de negligência entre o ministro e os médicos subiram de tom nos últimos dias e o governante acabou por pedir a sua demissão do cargo.

Ministro da Saúde de São Tomé e Príncipe demite-se do cargo - 2:00
please wait

No media source currently available

0:00 0:01:46 0:00

“Depois de ter feito uma análise profunda da situação, decidi introduzir, na passada quinta feira, dia 20 de Janeiro, o meu pedido de demissão junto ao primeiro-ministro”, disse Edgar Neves em conferência de imprensa no seu gabinete, sublinhando de a sua posição é irreversível.

O ministro é membro da União MDFM-UDD, um dos partidos que integra a coligação no poder, e esteve no Governo durante os últimos três anos.

“No cômputo geral, tendo em conta as dificuldades financeiras do país, considero ter dado o meu contributo como cidadão e enquanto profissional da saúde para a mitigação dos males que nos assolam”, afirmou o ministro na hora em que se despediu do Governo e do Ministério da Saúde.

Edgar Neves fez saber ainda que tomou a decisão de se demitir do cargo após “consulta profunda”, em primeiro lugar à sua família e amigos mais próximos e, também, ao partido que o colocou no Governo.

A crise

A demissão de Edgar Neves surge a trocas crescentes de a acusações entre ele e a classe.

Na semana passada, a presidente do Sindicato dos Médicos, Benvinda Vera Cruz acusou o Governo de não cumprir o memorando assinado entre as partes e que evitou há poucos meses uma greve anunciada pelos médicos.

Em resposta, o ministro Edgar Neves disse que o problema no sector da saúde não se resume a falta de medicamentos, que é uma das reivindicações do sindicato.

«E não é só uma questão de falta de medicamentos, que as vezes existem. Há uma questão que temos que colocar o dedo na ferida. Há incompetência e as vezes, há negligência, e pior ainda é o casamento das duas coisas», afirmou o ministro, acrescentando ter dito à Ordem dos Médicos “que temos que avaliar o acto médico”.

Em resposta, na quinta-feira, 20, a Ordem divulgou um comunicado em que diz que lamentar “que as declarações tenham chegado a um ponto que compromete a busca de soluções num período em que o país e o mundo enfrentam uma tremenda crise provocada pela pandemia da Covid-19»

O bastonário dos médicos Celso Matos deixou claro que o processo de avaliação dos profissionais de saúde ainda não está consumado.

E acrescentou que «dizer que às vezes faltam medicamentos como se tudo estivesse bem na saúde é de uma atitude negativistae irritante. Insinuar que a reivindicação por melhores condições de trabalho, se esconde por trás da incompetência e da negligência, é um insulto absurdo a vários profissionais que se desgastam em momentos de angústia e incompetência nos carentes e desactualizados centros de saúde do país».

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG