Links de Acesso

Milhares de etíopes manifestam apoio a Abiy Ahmed e denunciam os EUA


Etiópia, manifestação de apoio ap governo em Adis Abeba

O conflito no norte da Etiópia matou milhares de pessoas, forçou mais de 2 milhões de pessoas a abandonar as suas casas e deixou 400.000 pessoas da região de Tigray a enfrentar a fome

Dezenas de milhares de etíopes reuniram-se em Adis Abeba neste domingo, 7, em apoio ao governo do primeiro-ministro Abiy Ahmed enquanto as tropas federais combatiam as forças rebeldes que ameaçam marchar sobre a cidade.

Alguns manifestantes denunciaram os Estados Unidos, que se encontram entre as potências estrangeiras que apelaram a um cessar-fogo numa guerra de um ano que matou milhares de pessoas, intensificada por entre avanços rebeldes no fim-de-semana passado.

Os Estados Unidos, o Conselho de Segurança da ONU, a União Africana, o Quénia e o Uganda apelaram nos últimos dias a um cessar-fogo.

O governo da Abiy comprometeu-se a continuar a lutar. Na sexta-feira, o governo disse ter a responsabilidade de garantir a segurança do país, e instou os seus parceiros internacionais a permanecerem com a democracia da Etiópia.

Alguns dos que se reuniram na Praça Meskel, no centro de Adis Abeba, insurgiaram-se contra as críticas dos Estados Unidos.

A administração do Presidente dos EUA Joe Biden acusou na terça-feira a Etiópia de "grosseiras violações" dos direitos humanos e disse que planeava retirar o país do acordo comercial da Lei de Crescimento e Oportunidade Africana (AGOA).

O conflito no norte do país começou há um ano quando forças leais à TPLF confiscaram bases militares na região de Tigray. Em resposta, Abiy enviou tropas, que inicialmente expulsaram a TPLF da capital regional, Mekelle, mas que enfrentaram uma forte inversão desde Junho deste ano.

O conflito matou milhares de pessoas, forçou mais de 2 milhões de pessoas a abandonar as suas casas e deixou 400.000 pessoas em Tigray a enfrentar a fome.

No domingo, o chefe da ajuda humanitária da ONU, Martin Griffiths, e o enviado especial da UA para o Corno de África, Olusegun Obasanjo, desembarcaram em Mekelle, disseram à Reuters uma fonte humanitária na Etiópia e uma pessoa familiarizada com o assunto.

Um porta-voz do Gabinete de Coordenação dos Assuntos Humanitários da ONU (OCHA) na Etiópia não respondeu a um pedido de comentários, e os funcionários da ONU em Nova Iorque não estavam imediatamente contactáveis. O porta-voz da UA, Ebba Kalondo, não respondeu a um pedido de comentários.

"Só posso confirmar que ambos estão aqui e que estamos a ter discussões", disse o porta-voz da TPLF, Getachew Reda, à Reuters.

O porta-voz do governo Legesse Tulu não respondeu a um pedido de comentários sobre a visita dos funcionários.

Um estado de emergência declarado pelo governo na terça-feira permite-lhe ordenar o recrutamento dos cidadãos em idade militar.

A Reuters não pôde confirmar independentemente a extensão do avanço da TPLF. A TPLF e os seus aliados disseram à Reuters na semana passada que se encontravam a 325 km da capital. O governo acusa o grupo de exagerar os seus ganhos.

O governo também se queixou da cobertura do conflito pelos meios de comunicação social estrangeiros e algumas pessoas no comício faziam sinais denunciando "notícias falsas" na Etiópia.

(Reuters)

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG