Links de Acesso

Mia Couto regressa às origens e vê a sua infância em "O Mapeador de Ausências"


Mia Couto, Conferência Científica Sobre a Covid-19 em Moçambique, 17 e 18 junho 2020 (Foto de Arquivo)

O escritor moçambicano Mia Couto lançou na sua cidade natal, Beira, a sua mais recente obra, baseada na sua infância e juventude: “O Mapeador de Ausências”.

Com a chancela da Fundação Fernando Leite Couto (FFLC), o romance foi escrito nos últimos três anos, ao revisitar a sua infância.

A história é do poeta Diogo Santiago, professor universitário em Maputo que desloca-se pela primeira vez em muitos anos à terra natal, nas vésperas do ciclone que a arrasou em 2019, numa alusão ao ciclone Idai, que atingiu o centro de Moçambique em março de 2019.

O regresso à Beira é também, e talvez para ele seja sobretudo, o regresso a um passado longínquo, à sua infância e juventude, quando ainda Moçambique era uma colónia portuguesa.

Natural da Beira, Couto nasceu em 1955.

Foi jornalista e professor, e é, atualmente, biólogo e escritor.

Prémio Camões de 2013, o maior prémio da literatura em língua portuguesa, tem recebido prémios e distinções em vários países.

As suas muitas obras estão traduzidas em diversas línguas.

Mia Couto fala com a VOA sobre esse relembrar da sua infância.

Acompanhe aqui:

Mia Couto regressa às origens e vê a sua infância em "O Mapeador de Ausências" - 9:00
please wait

No media source currently available

0:00 0:08:38 0:00

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG