Links de Acesso

Memorial de Afonso Dhlakama destruído no Dia da Paz


Membros da Renamo olham para o que restou do memorial, Manica, Moçambique

A Renamo, maior partido da oposição em Moçambique, classificou nesta quinta-feira, 07, de “vergonhoso” e “crime macabro” a destruição de um memorial construído no local onde a caravana de Afonso Dhlakama e seus homens armados foram atacados a 25 de Setembro de 2015, em Amatongas, na província de Manica.

Um total de 19 guerrilheiros da Renamo, de acordo com os dados do Governo – a Renamo fala em 12 baixas – morreram no ataque, poucos dias depois de Afonso Dhlakama ter saído ileso noutro atentado em Chibata.

Memorial de Afonso Dhlakama destruído no Dia da Paz
please wait

No media source currently available

0:00 0:03:03 0:00

O memorial foi inaugurado exactamente a 25 de Setembro passado, e deitado a baixo na terça-feira, 4 de Outubro.

“É muito triste e isso demonstra a pequenez do adversário” disse Angelina Enoque, deputada da Renamo. “É vergonhoso e macabro”.

Para a deputada da Renamo, o partido não consegue perceber as motivações da destruição do memorial. “Não faz nenhuma diferença com o que aconteceu no dia 25 de Setembro de 2015” frisou Enoque.

Inauguração do memorial de Afonso Dhlakama, Manica, Moçambique
Inauguração do memorial de Afonso Dhlakama, Manica, Moçambique

Para ela, o mais grave é o facto de tal destruição ter “acontecido num dia em que estávamos a celebrar a paz (…) que tipo de paz?”

Queixa à Polícia

Entretanto, André Magibire, secretário-geral da Renamo, disse que o partido vai apresentar uma queixa-crime à Polícia, para que seja investigado o agente da corporação cujo document de identificação foi encontrado no local.

“Neste local, quando os colegas vieram apanharam um Bilhete de Identidade de um dos promotores deste acto - é um agente da Polícia da República de Moçambique (…) isso é prova de que a Polícia está ao serviço do partido Frelimo. Vamos processar a ele”, disse Magibire, pouco antes de uma audiência com a governadora de Manica.

A Polícia da República de Moçambique (PRM) e o partido Frelimo não quiseram se pronunciar sobre o assunto.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG