Links de Acesso

Mariano Nhongo diz continuar à espera do Governo para negociar fim de combates em Moçambique


Mariano Nhongo, líder da autoproclamada Junta Militar da Renamo

Líder da autoproclamada Junta Militar da Renamo garante não ter violado trégua de paz por ele anunciada desde Dezembro

O líder dissidente da Renamo, Mariano Nhongo, disse nesta quinta-feira, 25, continuar à espera da notificação de Maputo para iniciar negociações de paz e recusa ter violado o cessar-fogo unilateral declarado em Dezembro passado.

Mariano Nhongo diz continuar à espera do Governo para negociar fim de combates em Moçambique
please wait

No media source currently available

0:00 0:01:27 0:00

Em entrevista à VOA, Nhongo assegurou que manteve vários encontros telefónicos com o enviado especial do secretário-geral das Nações Unidas, Mirko Manzoni, que está a mediar o diálogo com o Governo, mas ainda não obteve garantias para o envio da sua equipe de negociadores.

“A Junta Militar está a aguardar o Governo para abrir a porta, para nós mandarmos os nossos homens para a mesa de negociações”, precisou Nhongo, quem reiterou que a equipa de cinco pessoas está preparada.

O dirigente da autoproclamada Junta Militar da Renamo declarou a 23 de Dezembro um cessar-fogo, colocando fim a ataques armados em estradas e aldeias do centro de Moçambique, para viabilizar um novo esforço de negociações de paz com Maputo, mas acusa o Governo de o ter violado por várias vezes, contudo, sem retaliação.

“Desde Janeiro aguardamos o governo para negociarmos, por isso a Junta Militar já faz um mês e meio sem ataques”, precisou Mariano Nhongo, insistindo que o Executivo tem resistido ao diálogo de pacificação.

Nhongo também acusou o Governo de violar o cessar-fogo unilateral ao ter bombardeado com helicópteros cinco vezes o seu esconderijo na Gorongosa, o que o obrigou a viver de forma nómada desde Dezembro.

Sobre a deserção recente de um dos generais, um dos seus principais aliados, Mariano Nhongo, disse que “muitos pensavam que a Junta Militar fosse uma via de enriquecimento”, mas se esquecem que “o nosso plano é de democratizar Moçambique, para as pessoas viverem a sua liberdade”.

A VOA tentou sem sucesso obter a reação do enviado especial do secretário-geral das Nações Unidas, Mirko Manzoni.

A autoproclamada Junta Militar da Renamo, liderada por Mariano Nhongo, ex-líder guerrilheiro, é acusada de realizar ataques armados contra civis e forças governamentais em estradas e aldeias nas províncias de Sofala e Manica, que provocaram varias mortes.

O grupo exige melhores condições de reintegração, a renegociação do acordo de paz de 2019 entre o Governo e a Renamo e a renúncia do actual presidente do principal partido da oposição, Ossufo Momade, acusando-o de ter desviado o processo de negociação dos ideais do seu antecessor, Afonso Dhlakama, o líder histórico que morreu em Maio de 2018.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG