Links de Acesso

Maputo deve se preparar para não cair na maldição de recursos, diz o investigador Adriano Nuvunga


Adriano Nuvunga, Investigador, CDD, Moçambique

O investigador moçambicano e director do Centro para Democracia e Desenvolvimento (CDD), Adriano Nuvunga, defende que Maputo precisa de balancear as acções para evitar a maldição de recursos, com resposta militar à insurgência em Cabo Delgado e capacitação para buscar partilhas na produção de gás.

Maputo deve se preparar para não cair na maldição de recursos, diz o investigador Adriano Nuvunga
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:37 0:00

A violência armada em Cabo Delgado está a provocar uma grave crise humanitária e de direitos humanos com quase 700 mil deslocados e 2.600 mortes, metade delas civis, de acordo com a agência americana de coleta de dados Armed Conflict Location and Event Data (ACLED).

Nuvunga entende que esse extremismo violento encontrou lugar devido à desafeição económica da população, que vive na pobreza extrema numa terra coberta de riqueza, e Maputo não pode continuar na situação de “um Estado sem capacidade” para atender aos desafios prementes de desenvolvimento.

“Hoje estamos com a insurgência, ou estamos com o extremismo violento, que nos atrapalha em relação à boa governação do sector extrativo” disse à VOA Adriano Nuvunga, que receia que o país se afunde em dívidas para combater a insurgência.

“A altura que isto (insurgência) passar vamos ter perdido muito das reformas necessárias para que o Estado possa ter capacidade para ir buscar as receitas e a partilha de produção (do gás) e poder ombrear com essas empresas internacionais, porque elas têm muitas estratégias para fugir ao fisco” acrescentou.

Moçambique, prosseguiu Adriano Nuvunga, deve evitar cair na situação global da maldição dos recursos e iniciar intervenções económicas que permitam que a população comece a usufruir ganhos dos mega-projectos antes do começo da exploração do gás.

Proliferação militar

Adriano Nuvunga entende que a proliferação de empresa militares na província de Cabo Delgado catapultou a dinâmica do extremismo violento na região, e defende que a questão de defesa seja centralizada no Estado.

Agora “as empresas internacionais devem se focalizar no negócio e deixar que a questão da defesa fique apenas para o Estado” insistiu Adriano Nuvunga, adiantando ser crucial o controlo do arsenal, privado e estatal, para travar o movimento dos grupos armados que atacam a província de Cabo Delgado desde 2017.

“É preciso haver maior centralização e pensamos que o Ministério da Defesa Nacional é que tem esta responsabilidade de recolher as armas e deixá-las nas mãos daquelas pessoas licenciadas e capacitadas para usar dentro da lei e com respeito aos direitos humanos”, disse.

O ataque recente a Palma, o centro do mega-projecto de gás natural em Moçambique, fragilizou ainda mais a imagem do governo moçambicano, o que forçou a petrolífera Total anunciar a suspensão total das actividades, no seu projeto bilionário de gás natural liquefeito na península de Afungi.

Sub Secretária da ONU condena ataques em Cabo Delgado
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:46 0:00

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG