Links de Acesso

Manifestações contra violência armada em todos os EUA


Manifestação contra violência armada em Washington DC, 11 de Junho

Dezenas de milhares de manifestantes manifestam-se em Washington, D.C., e por todo o país neste sábado, 11 de Junho, apelando aos legisladores para que aprovem legislação destinada a travar a violência armada na sequência do massacre do mês passado numa escola primária do Texas.

A Marcha pelas Nossas Vidas, ( MFOL na sigla em inglês) o grupo fundado por estudantes sobreviventes do massacre de 2018 numa escola secundária de Parkland, Flórida, disse ter planeado mais de 450 comícios para sábado, incluindo em Nova Iorque, Los Angeles e Chicago.

A marcha da organização em 2018 em Washington, semanas após 17 pessoas terem sido mortas na Marjory Stoneman Douglas High School em Parkland, trouxe centenas de milhares de pessoas à capital do país para pressionar o Congresso a tomar medidas legislativas, embora a oposição republicana tenha impedido que quaisquer novos limites às armas passassem no Senado dos EUA.

O Presidente dos EUA Joe Biden, um democrata que no início deste mês exortou o Congresso a proibir as armas de assalto, expandir a verificação de antecedentes e implementar outras medidas de controlo de armas, disse que apoiava os protestos de sábado.

"Hoje, os jovens de todo o país marcham mais uma vez com @AMarch4OurLives para apelar ao Congresso para aprovar legislação de segurança de armas de fogo com senso comum apoiada pela maioria dos americanos e proprietários de armas", disse Biden num post no Twitter. "Junto-me a eles repetindo o meu apelo ao Congresso: façam alguma coisa".

O evento deste ano em Washington tem uma mensagem simples para os líderes políticos, segundo os organizadores: A sua inacção está a matar americanos.

"Não permitiremos mais que se sente enquanto as pessoas continuam a morrer", disse Trevon Bosley, um membro da direcção do MFOL, numa declaração por e-mail.

Um atirador em Uvalde, Texas, matou 19 crianças e duas professoras em 24 de Maio, 10 dias após outro atirador ter assassinado 10 pessoas negras numa mercearia em Buffalo, Nova Iorque, num ataque racista.

Os últimos tiroteios em massa acrescentaram uma nova urgência ao debate em curso no país, sobre a violência armada, embora as perspectivas de legislação federal permaneçam incertas.

Entre outras políticas, o MFOL apelou a uma proibição de armas de assalto, à verificação universal dos antecedentes daqueles que tentam comprar armas e a um sistema nacional de licenciamento, que registaria os proprietários de armas.

Nas últimas semanas, um grupo bipartidário de negociadores do Senado jurou fazer um acordo, embora ainda não tenham chegado a um acordo. O seu esforço está centrado em mudanças relativamente modestas, tais como incentivar os estados a aprovar leis de "bandeira vermelha" que permitam às autoridades manter armas de indivíduos considerados perigosos para os outros.

A Câmara dos Representantes dos EUA, controlada pelos Democratas, aprovou na quarta-feira um vasto conjunto de medidas de segurança de armas, mas a legislação não tem qualquer hipótese de avançar no Senado, onde os republicanos se opuseram aos limites de armas como infringindo os EUA, conforme a Segunda Emenda da Constituição, o direito de porte de armas.

Entre os oradores no comício de Washington estão David Hogg e X Gonzalez, sobreviventes de Parkland e co-fundadores do MFOL; Becky Pringle e Randi Weingarten, presidentes dos dois maiores sindicatos de professores dos EUA; e Yolanda King, neta do líder dos direitos civis Martin Luther King, Jr.

Membros do MFOL passaram a semana a reunir-se com legisladores em Washington para discutir a violência armada.

Os organizadores também esperam contra-protestantes nas manifestações, que poderá não ter a adesão esperada devido à chuva que cai na capital americana.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG