Links de Acesso

"Máfia da madeira" provoca fogo cruzado entre governador do Cuando Cubango e dirigente do MPLA


Governador Júlio Bessa diz que nacionais e cidadãos de países asiáticos controlam a "máfia" mas Francisco Pinto Chikoti, dirigente do MPLA, responsabiliza o Governo local

O governador da província angolana do Cuando Cubango, Júlio Bessa, disse na terça-feira, 21, existir uma máfia na exploração da madeira, que envolve cidadãos nacionais e de origem asiática.

Mafia de corte e venda de madeira no Cunene -1:45
please wait

No media source currently available

0:00 0:01:45 0:00


Citado pela rádio pública, RNA, o governante afirmou que está instalada na região “uma máfia na madeira, que está muito ramificada e que passa por nós angolanos e vai terminar em pessoas oriundas da Ásia e não se sente aqui uma vontade de organização”.

Em reacção às declarações do governador, o dirigente local do MPLA, Francisco Pinto Chikoti, aponta o dedo ao Governo provincial a quem acusa de ser o “ principal promotor” do fenómeno.

“É conversa para boi dormir”, afirma Chikoti, conhecido pela maneira frontal como critica a governação de Júlio Bessa.

Aquele membro do Comité Provincial do partido no poder diz que a "máfia" integra altos responsáveis do Instituto de Desenvolvimento Florestal (IDF), afecto ao Ministério da Agricultura, “que passam licenças às elites locais que, por sua vez, as vendem a estrangeiros”.

“Os chineses pagam os sobas, cortam a madeira e levam”, acusa.

Francisco Chikoti revela que o IDF é também o departamento governamental responsável pela legalização e permissão de saída da província da madeira explorada ilegalmente.

Por seu lado, o governador do Cuando Cubango acrescenta que sempre que as autoridades tomam uma medida, "algumas vozes vão se levantando, no sentido de contrariar”.

“Mas o que nós temos dito é que não nos assusta, não estou com receio dessas pessoas, eu tenho sido uma pessoa muito aberta, tenho reunido frequentemente com os parceiros, com a associação dos madeireiros e temos tipo uma abertura total neste sentido”, sublinha.

Júlio Bessa conclui que “as ideias são claras” e tem defendido que à semelhança do sector petrolífero é preciso dar concessões.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG