Links de Acesso

Líder supremo do Irão jura vingança por cientista assassinado


Líder supremo do Irão, ayatollah Ali Khamenei - julho 2020

O líder supremo do Irão pediu neste sábado a "punição definitiva" daqueles por trás da morte de um cientista ligado ao programa nuclear militar desmantelado de Teerão, uma morte que a República Islâmica atribuiu a Israel.

Israel, há muito suspeito de matar cientistas iranianos há uma década em meio a tensões sobre o programa nuclear de Teerão, ainda não fez comentários sobre o assassinato de Mohsen Fakhrizadeh na sexta-feira. No entanto, o ataque carregou as marcas de uma emboscada de estilo militar cuidadosamente planeada.

A morte ameaça renovar as tensões entre os EUA e o Irão nos últimos dias do mandato do Presidente Donald Trump, assim como o presidente-eleito Joe Biden sugeriu que o seu governo poderia retornar ao acordo nuclear de Teerão com potências mundiais das quais Trump se retirou anteriormente. O Pentágono anunciou no início do sábado que enviou o porta-aviões USS Nimitz de volta ao Médio Oriente.

Numa declaração, o líder supremo ayatollah Ali Khamenei chamou Fakhrizadeh de "o mais proeminente e distinto cientista nuclear e defensivo do país".

Mohsen Fakhrizadeh
Mohsen Fakhrizadeh

Sem dar mais detalhes, Khamenei disse que a primeira prioridade do Irão após o assassinato era "a punição definitiva dos perpetradores e daqueles que a ordenaram".

Falando numa reunião da equipa de trabalho do coronavírus de seu governo no sábado, o Presidente Hassan Rouhani culpou Israel pelo assassinato.

Rouhani disse que a morte de Fakhrizadeh não interromperia o seu programa nuclear, algo que Khamenei também disse. O programa nuclear civil do Irão tem continuado as suas experiências e agora enriquece urânio em até 4,5%, muito abaixo dos níveis para armas de 90%.

Mas os analistas compararam Fakhrizadeh a estar no mesmo nível de Robert Oppenheimer, o cientista que liderou o Projeto Manhattan dos EUA na Segunda Guerra Mundial que criou a bomba atómica.

"Responderemos ao assassinato do mártir Fakhrizadeh no momento adequado", disse Rouhani.

Ele acrescentou: "A nação iraniana é mais inteligente do que cair na armadilha dos sionistas. Eles estão a pensar em criar o caos."

O ataque de sexta-feira aconteceu em Absard, uma vila a leste da capital que é um refúgio para a elite iraniana. A televisão estatal iraniana disse que um velho camião com explosivos escondidos sob um carregamento de madeira explodiu perto do veículo que transportava Fakhrizadeh.

Foto publicada pela agência de notícias semi-oficial Fars News mostra o local onde Mohsen Fakhrizadeh foi morto, em Absard, uma pequena cidade a leste da capital, Teerão, Irão, Nov. 27, 2020.
Foto publicada pela agência de notícias semi-oficial Fars News mostra o local onde Mohsen Fakhrizadeh foi morto, em Absard, uma pequena cidade a leste da capital, Teerão, Irão, Nov. 27, 2020.

Quando o veículo de Fakhrizadeh parou, pelo menos cinco homens armados emergiram e atacaram o carro com tiros rápidos, disse a agência de notícias Tasnim.

Fakhrizadeh morreu num hospital depois que médicos e paramédicos não conseguiram reanimá-lo. Outros feridos incluem os guarda-costas de Fakhrizadeh. Fotos e vídeos partilhados online mostraram um sedã Nissan com buracos de bala no pára-brisa e sangue acumulado na estrada.

Horas após o ataque, o Pentágono anunciou que o porta-aviões USS Nimitz estava de volta ao Médio Oriente, um movimento incomum, visto que o porta-aviões já passava meses na região. Ele citou a redução das forças dos EUA no Afeganistão e no Iraque como o motivo da decisão, dizendo que "era prudente ter capacidades defensivas adicionais na região para atender a qualquer contingência".

AP

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG