Links de Acesso

Schumer alerta para possível violência aquando da tomada posse de Biden


Capitólio, Joe Biden e Donald Trump

O líder democrata do Senado insta o FBI a "perseguir implacavelmente ...rebeldes violentos" ligados à invasão do Capitólio dos EUA

O líder democrata do Senado dos EUA, Chuck Schumer, alertou no domingo para a ameaça de violência aquando da posse do presidente eleito Joe Biden a 20 de janeiro, especialmente após a invasão do Capitólio dos EUA na semana passada por milhares de partidários do presidente Donald Trump que tentaram bloquear a ascensão de Biden ao poder.

Schumer, que em breve será o líder da maioria no Senado, disse que falou com o diretor do FBI Christopher Wray no sábado "para instá-lo a perseguir implacavelmente a multidão de violentos rebeldes, incitados pelo presidente Trump, que atacou o Capitólio dos Estados Unidos e matou um polícia, bem a dar proteção contra potenciais ataques adicionais. ”

Da mesma forma, a presidente camarária de Washington, Muriel Bowser, em uma carta datada de sábado, pediu ao chefe interino da Segurança Interna, Chad Wolf, para estender o período de três dias para a designação de segurança nacional atualmente em torno da posse para um período de duas semanas começando nesta segunda-feira e prolongá-lo até 24 de janeiro.

Bowser deseja que o Departamento do Interior rejeite os pedidos de autorização de reunião pública durante esse período.

Trump anunciou na sexta-feira que não compareceria à posse de Biden, o que o tornaria o primeiro presidente da história moderna a não comparecer à posse de seu sucessor.

O vice-presidente Mike Pence deve comparecer, assim como os ex-presidentes George W. Bush e Barack Obama.

Os Serviços Secretos, que lideram uma equipa de agências envolvidas na segurança para a investidura, divulgou uma declaração na sexta-feira e que trabalha há mais de um ano "para antecipar e preparar-se para todas as contingências possíveis em todos os níveis para garantir um Dia de posse seguro e protegido. ”

E ha já apelos a protestos semelhantes online, disse o Twitter em comunicado na sexta-feira. “Planos para futuros protestos armados já proliferaram dentro e fora do Twitter, incluindo um ataque secundário proposto ao Capitólio dos EUA e aos edifícios dos capitólios estaduais a 17 de janeiro de 2021”, disse o documento.

Assim como numerosos adeptos de Trump apelaram ao protesto nas contas de mídia social, da mesma forma, há pedidos para mais manifestações quando Biden tomar posse como o 46º presidente do país, em um evento que os organizadores estão a chamar de "Marcha de Milícias". Alguns organizadores, que se autodenominam “gente comum cansada de ser pisada”, também convocam uma “Marcha Armada em Todas as Capitais dos Estados” para o dia 17 de janeiro, três dias antes da inauguração.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG