Links de Acesso

Jovem com deficiência física espera que Governo angolano crie políticas verdadeiras de inclusão


Valentino Pena, jovem à procura de emprego

Embora tenha qualificações, Valentino Pena sofre discriminação na busca de emprego.

Em entrevista à Voz da América, Valentino Pena, de 28 anos, que tem uma perna paralisada, contou que ainda não conseguiu emprego desde que conversou com a jornalista Danielle Stescki no segmento Espaço do Ouvinte, em Setembro de 2018.

Ele é fluente em inglês, tem o ensino médio completo, além de cursos básicos profissionais, como empreendedorismo, secretariado, informática, hardware e software.

No seu entender, o motivo pelo qual não consegue uma oportunidade de trabalho é a discriminação em Luanda.

Um outro factor que dificulta a busca de emprego é o excesso de documentos exigidos por empresas públicas e privadas.

Valentino contou que as empresas exigem de 10 a 11 documentos, entre eles o atestado de residência, a declaração militar e o atestado médico, os quais têm apenas 90 dias de validade e um custo de 3 mil kwanzas por documento.

“Ficando com todos esses documentos em casa sem achar emprego é um desperdício de dinheiro".

Valentino, que é um jovem batalhador e optimista, gostaria de ver o Governo angolano cumprindo o artigo 83 da Constituição, ou seja, criando políticas verdadeiras de inclusão, onde as empresas públicas e privadas reservam sempre vagas para pessoas deficientes.

Ele concluiu a entrevista falando sobre o seu desejo para o ano de 2019.

“Eu desejo primeiro conseguir um emprego e depois lutar para ter uma casa própria”.

Confira a entrevista.

Entrevista de áudio com Valentino Pena
please wait

No media source currently available

0:00 0:05:27 0:00

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG