Links de Acesso

João Lourenço cancela concurso que deu concessão de telecomunicações a companhia de um general


O presidente de Angola João Lourenço anulou hoje, 18 de Abril, os resultados de um concurso público que deu a licença de operação de um quarto operador de telemóveis à companhia Telstar Telcomunicações pertença do general Manuel João Carneiro em 90 por cento e os restantes 10 por cento por António Mateus.

O semanário angolano “Expansão” revelou, numa das suas edições, que o accionista maioritário tinha ligações com a empresa “Mundo Telecomunicações” detida pelos antigos ministros dos Transportes, Augusto Tomás, e das Finanças Pedro de Morais, pelo antigo secretário para os Assuntos Económicos do ex-presidente da República, José Eduardo dos Santos, André Brandão e pelo ex-governador de Luanda, Higino Carneiro.

A atribuição da licença a essa companhia tinha levantado criticas mesmo a nível internacional à falta de transparência em todo o processo.

A agência de notícias Bloomberg publicou um artigo em que disse que a Telstar tinha sido formada já depois da abertura do concurso e que o seu escritório estava encerrado quando um repórter o visitou.

Hoje numa nota de imprensa o Presidente João Lourenço anulou o resultado do concurso, afirmando que a companhia não tinha cumprido vários procedimentos necessários, nomeadamente exigências relativas ao balanço e demonstrações de resultados e declaração sobre o volume global de negócios relativo aos últimos três anos.

O especialista em políticas publicas David Kissadila disse que o concurso tinha sido marcado por uma clara falta de transparência acrescentando que “as pessoas duvidam dos critérios e mecanismos utilizados para a vitória desta empresa, claro que não houve lisura para que o concurso fosse visto de forma aceitável".

O governo de João Lourenço tem ganho alguns elogios por ter uma administração das finanças públicas mais transparente embora persistam as criticas.

O presidente da AIA Associação Industrial Angolana, José Severino, diz que de facto algo mudou na forma como o governo está a gerir a coisa pública.

José Severino entende que apesar de algum défice há mais transparência.
"Hoje temos uma melhor gestão dos recursos que são colocados a disposição da educação e saúde fundamentalmente e do investimento poblico”, disse acrescentando que há menos dinheiro por isso há melhor rácio entre a aplicação dos recursos e a qualidade daquilo que se recebe”.

Mas há quem não concorde. O economista José Matuta Cuato diz que não deve ser o Executivo a ser juiz em causa própria.

"É preciso e é importante que se publique dados, e quando vamos ao “site” do Ministério das Finanças temos dificuldades de obter informações recentes, para que as pessoas formem o seu próprio juízo”, disse.

“Eu não posso formar opinião com dados inexistentes”, acrescentou Matuta Cuato para quem “é preciso que haja instituições independentes que façam estas avaliações".

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG