Links de Acesso

Incêndio no Museu Nacional destrói parte importante da história brasileira


Instituição de 200 anos foi residência de um rei e dois imperadores.

Maior parte do acervo está destruída e prejuízo é incalculável

Um incêndio de grandes proporções destruiu o Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista, em São Cristóvão, zona norte do Rio de Janeiro, na noite de Domingo, 2.

O fogo só foi controlado nesta segunda-feira.

A instituição bicentenária foi usada como residência da família real brasileira.

A perda é inestimável. A maior parte do acervo, de cerca de 20 milhões de itens, está totalmente destruída.

Fogo no Museu Nacional de Brasil no Rio de Janeiro
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:06 0:00

Fósseis, múmias, registros históricos e obras de arte viraram cinzas e pedaços de documentos queimados se espalharam pela cidade.

A assessoria de imprensa do museu e o Corpo de Bombeiros dizem não haver feridos.

Apenas quatro vigilantes estavam no local, mas eles conseguiram sair a tempo.

Os militares confirmam que os hidrantes instalados no edifício não funcionaram, o que atrapalhou o trabalho de combate as chamas.

O comandante-geral do Corpo de Bombeiros e secretário de Defesa Civil do Rio de Janeiro, coronel Roberto Robadey, definiu que é lamentável o incêndio que consumiu o Museu Nacional desde a noite de domingo, 2.

“É um dos dias mais tristes da minha carreira. A gente reconhece esse património. Meus pais me trouxeram aqui. Eu me lembro que, quando criança, me marcou muito aquele esqueleto de baleia. Mais recentemente eu trouxe a minha filha e andamos por todo o museu. Tudo o que a gente tinha aqui e saber que está tudo perdido e entrar ali dentro é desolador. São escombros, muita coisa queimada”, explicou.

As causas do fogo serão investigadas.

A polícia abriu inquérito e repassará o caso para que seja conduzido pela Delegacia de Repressão a Crimes de Meio Ambiente e Património Histórico, da Polícia Federal, que irá apurar se o incêndio foi criminoso ou não.

O museu contém um acervo histórico desde a época do Brasil Império.

Destacam-se em exposição o mais antigo fóssil humano já encontrado no país, batizado de "Luzia"; a colecção egípcia, que começou a ser adquirida pelo imperador Dom Pedro I; a coleção de arte e artefatos greco-romanos da Imperatriz Teresa Cristina; as coleções de Paleontologia que incluem o Maxakalisaurus topai, dinossauro.

O director do Museu Histórico Nacional, Paulo Knauss, considera o incêndio "uma tragédia".

"É uma tragédia lamentável. No seu interior há peças delicadas e inflamáveis. Uma biblioteca fabulosa. O acervo do museu não é para a história do Rio de Janeiro ou do Brasil. É fundamental para a história mundial. Nosso país está carente de uma política que defenda os nossos museus", concluiu Paulo Knauss.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG