Links de Acesso

Incêndio em campo de refugiados do Boko Haram estraga festa do Eid na Nigéria


Imagem de arquivo de um campo de refugiados em Maiduguri, Nigéria

A ONU e as agências de ajuda privada estão a ampliar a assistência a milhares de pessoas que perderam tudo num incêndio que tomou conta do seu acampamento em Maiduguri, capital do estado de Borno, no leste da Nigéria, há uma semana.

O que era para ser uma ocasião festiva comemorando o fim do Ramadão transformou-se num pesadelo. Na véspera da festa muçulmana de Eid-al-Fitr, faíscas de uma lareira começaram um incêndio que se espalhou por um acampamento que abrigava 40 mil pessoas que haviam fugido da violência do Boko Haram. Duas pessoas morreram no incêndio.

O Alto Comissariado da ONU para Refugiados relata que quase quatro mil pessoas, a maioria mulheres, perderam todos os seus bens. A porta-voz do ACNUR, Shabia Mantoo, diz que o incêndio neste assentamento improvisado destruiu os seus abrigos, destruiu casas e danificou outras instalações.

"O ACNUR está a trabalhar com autoridades, agências de ajuda e parceiros locais para garantir que os afetados recebam abrigo e outros meios de socorro, pois as pessoas estão a ser deslocadas novamente para fora e também dentro do campo. Muitos, incluindo crianças pequenas, estão a viver ao ar livre , basicamente a viver em campo aberto e sem proteção e também a precisar de ajuda imediata - abrigo, comida e roupas ".

Quase 300 mil pessoas deslocadas pela violência do Boko Haram estão vivendo em locais organizados e improvisados em Maiduguri e arredores. Mantoo diz que a tragédia atual é apenas a mais recente de uma série de incêndios que eclodiram em toda a região nos últimos meses.

Ela diz que os campos do nordeste da Nigéria estão congestionados e os abrigos estão muito próximos por segurança.

"Com a crescente violência, a ameaça da Covid-19 também traz novas ameaças para pessoas deslocadas internamente que vivem em acampamentos e assentamentos superlotados, onde o distanciamento físico é impossível. Em resposta, o ACNUR está a trabalhar com o Programa de Desenvolvimento da ONU para expandir vários campos e construir abrigos adicionais".

Desde o início da insurgência do Boko Haram em 2009, dezenas de milhares de pessoas foram mortas e 2,5 milhões foram deslocadas na região do Lago Chade. Esse número inclui 1,8 milhão na Nigéria e o restante nos Camarões e no Chade.

Apesar de inúmeros contratempos, o Boko Haram continua a ser uma força potente e perigosa. O grupo militante gerou outros grupos armados na região, aumentando a violência. As agências humanitárias relatam que milhares estão fugindo para salvar suas vidas todos os dias. Os que suportam o impacto desse conflito em curso, dizem eles, são meninas, mulheres idosas e trabalhadores humanitários.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG