Links de Acesso

Idrissa Djaló defende a refundação do Estado guineense


Palácio Presidencial em Bissau. Guiné-Bissau

O sistema político guineense está falido e não tem ajudado o país a conter a instabilidade cíclica, desde a abertura ao multipartidarismo, na década de 1990, diz Djaló.

O líder do Partido de Unidade Nacional (PUN), uma formação política extraparlamentar, defendeu, no fim-de-semana, em Bissau, a refundação do Estado guineense.

Para Idrissa Djaló, o sistema político guineense está falido e não tem ajudado o país a conter a instabilidade cíclica, desde a abertura ao multipartidarismo, na década de 1990.

“O problema que temos hoje na Guiné-Bissau é falhanço do Estado pós-colonial, que nunca funcionou. Este Estado que temos hoje não vale e não pode nos dar segurança", diz.

Trata-se de um assunto que tem causado contradições e debates, na Guiné-Bissau, nos últimos dez anos.

Na opinião do investigador do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa, Fode Mané, a Guiné-Bissau não é um Estado falhado, mas sim em construção.

“Para o Estado, é preciso recursos humanos, infraestruturas e legislação adequada e apropriada pela população. Não tivemos isso. Aquilo que o líder político chama de Estado falhado, nós chamamos de um Estado em construção”, diz Mané.

O consultor jurídico Luís Peti diz que o dilema da Guiné-Bissau reside na forma de fazer politica, e não no sistema, em si, daí a sua sugestão de reformas.

Diz Peti que a Guiné-Bissau precisa de “reforma do sistema político, a mentalidade do homem politico guineense a forma de ver o Estado como a essência daquilo que é o bem comum e não uma abordagem sectária”.

Acompanhe:

Idrissa Djaló defende a refundação do Estado guineense
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:12 0:00

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG