Links de Acesso

HRW: Jornalistas e activistas continuam a ser alvo de intimidações em Moçambique


Amade Abubacar, uma das vítimas citadas pelo Relatório Mundial 2020

Em ano eleitoral, a violência continua a imperar em Moçambique, não só política, mas também por parte das Forças de Defesa e Segurança que, ao tentarem combater atacantes na província de Cabo Delgado, prenderam e violaram os direitos dos jornalistas.

A denúncia está no Relatório Mundial 2020 da organização não governamental de defesa dos direitos humanos, Human Rights Watch (HRW) que deu nota positive, no entanto, ao maior respeito pelas mulheres e raparigas.

"Os jornalistas e activistas continuam a enfrentar intimidação e assédio e tem havido uma falta de responsabilização pelos crimes do passado", destaca o documento que coloca em relevo as detenções de vários jornalistas no norte do país, o cerco à sede da organização Centro de Integridade Pública no seguimento da campanha contra o pagamento das chamadas 'dívidas ocultas' e as irregularidades no processo eleitoral que reelegeu Filipe Nuysi como Presidente de Moçambique, em Outubro passado.

Repressão e não-responsabilização

A HRW escreve que “a série de ataques de um grupo armado islâmico, conhecido localmente como Al-Sunna wa Jama'a e Al-Shabab, aumentou na província de Cabo Delgado” e “os soldados enviados à região para combater os grupos armados foram implicados em actos de intimidação, prisões arbitrárias e maus-tratos aos detidos”.

“Durante 2019, a repressão aos direitos à liberdade de expressão e à reunião pacífica continuou”, denuncia o documento, segundo o qual as Forças de Defesa e Segurança “intimidaram, detiveram e processaram jornalistas que cobriam os ataques em Cabo Delgado".

“O Governo impediu organizações de imprensa e jornalistas de visitar a província, enquanto o exército e a polícia detiveram jornalistas que conseguiram chegar lá”, acusa a HWR, que cita os casos dos jornalistas Amade Abubacar e Germano Daniel Adriano, detidos por mais de três meses.

Violência eleitoral

Noutro incidente, escreve a organização, em Março, "as autoridades perturbaram uma marcha organizada por uma escola primária para assinalar o carnaval e dias depois o presidente da Câmara de Maputo rejeitou o pedido do grupo ativista Fórum Mulher para uma marcha contra a violência doméstica".

Em ano eleitoral, o processo “foi marcado por violência e ataques de motivação política”, diz a organização que lembra o assassinato “em Outubro, do observador eleitoral, Anastacio Matavele, morto a tiros em plena luz do dia, supostamente por cinco membros da força policial de elite”.

O incidente aconteceu uma semana antes do dia das eleições, na província de Gaza, onde a Human Rights Watch documentou abusos graves e incidentes de violência desde o início da campanha eleitoral a 31 de Agosto, incluindo violações do direito à assembleia pacífica e detenções arbitrárias de candidatos da oposição.

A HRW aponta o dedo tanto ao Governo como à Renamo. na oposição, em casos de violência eleitoral e, quanto ao processo de votação, lembra “as acusações de irregularidades” e sustenta que "a União Europeia disse que os observadores identificaram algumas irregularidades e más práticas no dia das eleições e durante o processo de apuramento dos resultados, incluindo enchimento das urnas, votos múltiplos, invalidação intencional de votos a favor da oposição, e alterações dos resultados das mesas de voto, com acrescento fraudulento de votos".

Sexo por ajuda em tempo de crise

A situação de crise humanitária devido à passagem de dois furacões que deixaram cerca de 600 mortos e mais 1.850 de desalojados também deu origem à violação de direitos humanos.

“Vítimas, residentes e trabalhadores humanitários disseram à Human Rights Watch que os líderes comunitários locais coagiram as mulheres a praticar sexo em troca de ajuda”, pode-se ler no relatório.

A HRW regista, no entanto, um progresso significativo nos direitos das mulheres e meninas moçambicanas.

“Em Julho, a Assembleia da República de Moçambique deu um passo importante para acabar com a alta taxa de casamento infantil do país, adoptando por unanimidade uma lei que proíbe o casamento de crianças menores de 18 anos, sem excepção”, relata a HRW que aponta para a necessidade de o Governo continuar a proteger os albinos”.

“Embora os relatos de ataques e sequestros de pessoas com albinismo tenham diminuído desde 2015, muitas famílias de crianças com albinismo ainda vivem com medo, algumas mantendo seus filhos fora da escola.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG