Links de Acesso

Guiné-Bissau: “Sem mudança de mentalidade, não vamos a parte alguma”, afirma o músico Tchando


Tchando, cantor da Guiné-Bissau

“Não sou pessimista, mas o facto de serem as mesmas pessoas que vão concorrer, para mim significa que são as mesmas mentalidades,” comenta em relação às eleições.

O músico guineense Tchando tem um novo disco. "Bá," diz, é a manifestação da preocupação com “a situação de imensas dificuldades que o povo da Guiné-Bissau atravessa por causa das querelas entre os políticos”.

Tchando celebra com cautelas os avanços que a Guiné-Bissau regista, que dão esperança da realização de eleições legislativas em Novembro, e abrir caminho para o fim da instabilidade.

“Não sou pessimista, mas o facto de serem as mesmas pessoas que vão concorrer, para mim significa que são as mesmas mentalidades,” diz o artista.

Para Tchando, “se as mesmas mentalidades continuam, nós não vamos a parte nenhuma, as eleições não vão resolver problemas nenhuns... a mudança das pessoas sim”.

Ele sugere que para ocorrer a mudança, os políticos deverão fazer uma introspecção sobre as suas atitudes e não confundir a liderança com interesses pessoais. “Os governantes devem pensar em melhorar a vida da população”.

O artista não tem duvidas que “a Guiné-Bissau tem quadros para porem em ordem o país, mas é preciso que as pessoas tenham ligações, laços de irmandade”.

Acompanhe a entrevista:

Guiné-Bissau:“Sem mudança de mentalidade, não vamos à parte nenhuma”, afirma o músico Tchando
please wait

No media source currently available

0:00 0:17:59 0:00

Salvador Embalo “Tchando”, nasceu em 1957, em Bafatá, terra dominada por música dos Fula e Mandinga.

A sua trajectória inclui fricções com as autoridades da Guiné-Bissau, imediatamente após a independência, em 1974.

“Muitas pessoas foram fuziladas sem julgamento, muitos financiamentos eram desviados, e nós fizemos criticas a isso e fomos para a prisão”, recorda Tchando.

A distribuição de panfletos criticando as autoridades resultou no julgamento por um tribunal militar. Cumpriu dois anos de cadeia e foi liberto após a intervenção da Amnistia Internacional.

Tchando, que morou em Portugal e Franca, faz hoje a sua carreira na Dinamarca.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG