Links de Acesso

Guiné-Bissau: Multiplicam-se acções para travar a mutilação genital feminina


Marliatu Djaló Condé

Decorre na Guiné-Bissau a campanha de compromisso público sobre o abandono da prática de Mutilação Genital Feminina nas comunidades rurais.

No lançamento da iniciativa, que vai até fevereiro de 2022, 18 comunidades nas localidades norte do país já declararam o fim da prática de mutilação genital feminina.

Guiné-Bissau: Multiplicam-se acções para travar a mutilação genital feminina
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:40 0:00

“É uma vitoria. É uma vitoria para o Comité e para as organizações que trabalham e as que financiam também acções do género”, disse Marliatu Djaló Condé, líder do Comité Nacional para o Abandono das Práticas Tradicionais Nefastas.

Esta não é a primeira vez que acções do género têm lugar na Guiné-Bissau. No passado, muitas tabancas ou comunidades haviam declarado o fim da mutilação genital feminina, mas retomaram, segundo o registo das organizações vocacionadas.

A resistência, disse Condé, tem a ver com “aspectos socioculturais e religiosos”, com algumas pessoas a afirmar que a ideia de abandonar a mutilição é ocidental.

Condé recordou que essas pessoas “alegam ainda que a mulher não excisada não é pura, e não pode cumprir, de uma forma cabal, as suas obrigações religiosas”.

Além disso, segundo Condé, o sistema judicial é ineficiente, “sobretudo a fraca aplicabilidade das leis existentes”.

Apesar de reconhecer que “o ser humano é um bocado complexo”, Condé é optimista.

“Não posso aqui afirmar que os compromissos desta vez serão respeitados ao pé de letra, mas posso garantir que o constante seguimento às comunidades e acções pontuais serão uma forma de accionar o sino de lembrete”, disse.

Moçambique: Campanha "16 Dias de Activismo sobre a Violência" em marcha
please wait

No media source currently available

0:00 0:03:33 0:00


Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG