Links de Acesso

Guiné-Bissau: Greve na saúde obriga pacientes a procurarem privados e Governo recruta médicos militares


Hospital Simão Mendes, Bissau ( Foto de Arquivo)

Técnicos exigem melhores condições de trabalho e remunerações

Os pacientes dos hospitais públicos e de centros de saúde na Guiné-Bissau foram forçados a abandonar as enfermarias devido à paralisação iniciada nas segunda-feira, 20, em todo o território nacional pelos sindicatos do sector da saúde.

Guiné-Bissau: Greve na saúde obriga pacientes a procurarem privados e Governo recruta médicos militares
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:45 0:00

Para evitar o pior, o Governo recrutou seis médicos militares para prestar serviço no Hospital Simão Mendes, o maior do país, principalmente aos doentes críticos.

Entre outras reivindicações, os técnicos em greve exigem o pagamento de salários e subsídios em atraso, o enquadramento efectivo no chamado Estatuto de Pessoal de Saúde e melhorias de condições nos centros de atendimento aos doentes da Covid-19.

A paralisação é por tempo indeterminado e envolve todos os sindicatos ligados ao sector da saúde.

Os cenários mais evidentes nesta terça-feira, 21, são de camas vazias nos estabelecimentos de saúde.

Os doentes, na sua maioria crianças e grávidas, foram retiradas das enfermarias dos principais hospitais de Bissau e do interior.

Como alternativa, os familiares dos internados recorreram às clínicas privadas e hospitais semi-públicos.

O director do Hospital Simão Mendes, Sílvio Coelho, indicou que “não foi observado o serviço mínimo em nenhum departamento desde o início do boicote e até à 00:00 desta terça-feira”, pelos sindicatos, facto que o levou a “orientar os pacientes mais críticos a recorrerem aos hospitais e clínicas privados".

Entertanto, Júlio António Mendonça, secretário-geral da União Nacional dos Trabalhadores da Guiné (UNTG), disse que os serviços mínimos já estão a ser respeitados.

Por outro lado, a Liga Guineense dos Direitos Humanos (LGDH, disse “registar com muita apreensão a paralisação total dos serviços de saúde decretada pelas organizações sindicais do sector de saúde”

A organização ainda “condena a inércia do Ministério da Saúde e responsabiliza o Governo pelas eventuais mortes evitáveis que poderão ocorrer em consequência desta catástrofe nacional no Serviço Nacional de Saúde”.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG