Links de Acesso

Guiné-Bissau: Domingos Simões Pereira condena tentativa de golpe e pede inquérito rigoroso


Domingos Simōes Pereira (Arquivo)

Líder do PAIGC diz que assunto não pode ser tratado com "simplicidade" e adverte para perigo de contágio de golpes em países da região

O presidente do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) e antigo candidato presidencial, Domingos Simões Pereira, condenou a tentativa de golpe de Estado de terça-feira, 1, e pediu um inquérito rigoroso para conhecer os seus autores.

O assunto, não pode ser tratado “com simplicidade”.

O PAIGC vai posicionar-se amanhã formalmente sobre os incidentes de ontem, mas em declarações à VOA, Domingos Simões Pereira diz que como “linha consistente da actuação do PAIGC, nós condenamos e nos distanciamos de toda a violência e toda a tentativa de subvsersão da ordem constitucional por vias não democráticas”.

Inquérito por entidades com vocação e competência

Simões Pereira destaca ainda a gravidade da situação, sobretudo com a “perda de vidas humanas”.

Entretanto, ante “uma situação tão grave como esta”, o líder da oposição guineense exige que “ela seja tratada com o nível de seriedade e responsabilidade que a própria situação exige”.

“Que seja lançado um processo de inquérito e que esse inquérito possa incluir entidades com vocação e competência para garantir a credibilidade necessária, ao ponto de se poder decifrar qual é a proveniência dessas pessoas, estavam a mando de quem, quais eram os propósitos e que em função dessa escalpelização sejamos capazes de ver a justiça, de facto, funcionar”, defende Domingos Simões Pereira.

Crise recente no regime

O antigo candidato presidencial admite ter ficado “surpreendido por alguma simplicidade, algum tratamento circunstancial do assunto, evoca-se um choque entre eventuais narcotraficantes, é preciso ir aos detalhes, saber de quem é que estamos a falar e como é que se envolveram neste processo”.

Presidente da Guiné-Bissau sobre a tentativa de golpe
please wait

No media source currently available

0:00 0:00:58 0:00

O presidente do PAIGC lembra ainda que “a população guineense não deixará de ter presente que isto acontece poucos dias depois daquela que terá sido considerada uma greve crise entre elementos do actual regime”.

Questionado sobre o eventual efeito contágio dos golpes de Estado registados no Mali, Burkina Faso e na vizinha Guiné-Conacri, Domingos Simões Pereira afirma que, embora não tenha dados objectivos, “o perigo está exactamente nessa dimensão, às tanta a Guiné-Bissau parece ter a dimensão e estar posicionada de forma favorável para servir de lição e em certa medida para cobrir problemas noutros países, ou seja, já que temos uma sucessão de golpes noutros países porque não aproveitar a situação?!."

Jornalista em Bissau ouviu os primeiros disparos frente ao Palácio do Governo
please wait

No media source currently available

0:00 0:01:45 0:00

Em Bissau, a calma regressou às ruas, mas há informações de que muitas pessoas estão presas e que as Forças Armadas procuram outras que podem estar ligadas à tentativa de golpe de Estado.

Não há informação oficial do números de mortos, com fontes diversas a apontar para três a seis.

Ontem, no início da noite, o Presidente da República classificou a situação de tentativa falhada de golpe de Estado de pessoas ligadas ao tráfico de drogas, mas que “tudo está sob controlo”.

O primeiro-ministro e o Governo não se pronunciaram ainda.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG