Links de Acesso

Guiné-Bissau: CEDEAO admite impor sanções e condena "ações contrárias aos valores democráticos"


Palácio do Governo da Guiné-Bissau

A Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) ameaça impor sanções a dirigentes políticos e militares na Guiné-Bissau e condena todas as ações tomadas "contrárias aos valores e princípios democráticos" e que atentam contra a ordem constitucional estabelecida e "expõem os seus autores a sanções".

Em nota, a organização diz notar “com grande inquietação a imiscuição das forças de defesa e de segurança na esfera política e pede para se manterem afastados do campo político e a adotarem uma posição de neutralidade absoluta em relação aos atores políticos".

Cipriano Cassamá renunciou ao cargo de presidente interino; PAIGC reage
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:10 0:00

Em jeito de apelo, defende a "necessidade absoluta" de se esperar pelo fim do processo eleitoral e alerta para o "risco de conflitos internos graves ligados à degradação prolongada da situação política”.

A CEDEAO pede ainda que “seja posto um fim, sem demora, às ações levadas a cabo, sinónimo de anarquia".

Este posicionamento da organização regional surge depois do autoproclamado Presidente da República, Úmaro Sissoco Embaló, ter tomado posse, demitido o primeiro-ministro Aristides Gomes e nomeado Nuno Gomes Nabian para a chefia do Governo.

Ao mesmo tempo, militares assumiram a segurança de várias instituições do Estado e determinaram a suspensão das emissões da rádio e televisão.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG