Links de Acesso

Guerra de Tigray: Etíopes protestam contra as sanções dos Estados Unidos


Manifestação contra as sanções americanas em Addis Abeba, 30 de Maio, 2021

Washington restringe vistos, assistência económica e de segurança à Etiópia

Milhares de etíopes se reuniram na capital do país, no domingo, 30, para protestar contra a pressão externa sobre o governo por causa de sua guerra brutal em Tigray, reporta a AFP.

Os manifestantes, no comício em Addis Abeba, carregavam cartazes que criticavam os Estados Unidos e outros membros da comunidade internacional que expressam preocupação com as atrocidades em Tigray, onde as forças etíopes procuram os líderes expulsos da região e agora fugitivos.

"Jovens etíopes denunciam a intervenção ocidental," dizia um dos cartazes.

Tropas da vizinha Eritreia lutam em Tigray ao lado das forças do Governo etíope, desafiando os apelos internacionais pela sua retirada.

Os EUA começaram a restringir os vistos para funcionários do governo e militares da Etiópia e da Eritreia, que são considerados uma forma de minar os esforços para resolver o conflito em Tigray, ondem habitam cerca de seis milhões da população etíope de 110 milhões.

Além das restrições de visto, Washington está a impor restrições abrangentes à assistência económica e de segurança à Etiópia.

Brutalidade

Testemunhando no Capitólio na semana passada, Robert Godec, o secretário adjunto em exercício dos EUA para o Bureau de Assuntos Africanos, disse que a Etiópia está agora num ponto de inflexão e, a menos que reverta o curso, pode enfrentar outras medidas, como sanções da Lei Magnitsky que podem incluir o congelamento de activos.

Atrocidades, incluindo estupros brutais por grupos, execuções extrajudiciais e despejos forçados têm feito parte da violência em Tigray, de acordo com vítimas, testemunhas, autoridades locais e grupos de ajuda. Estima-se que milhares de pessoas morreram.

ONU e EUA apelam ao fim dos combates na região de Tigray, na Etiópia
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:30 0:00

O Governo etíope classificou as acções dos EUA como "equivocadas" e "lamentáveis".

“O Governo etíope não será dissuadido por esta decisão infeliz da administração dos Estados Unidos”, lê-se num comunicado Ministério dos Negócios Estrangeiros divulgada no Twitter.

“Se tal resolução de interferer nos nossos assuntos internos e minar os laços bilaterais centenários continuar inabalável, o Governo da República Federal Democrática da Etiópia será forçado a reavaliar as suas relações com os Estados Unidos, o que pode ter implicações além de nossas relações bilaterais ”, acrescenta o comunicado.

A crise começou em Novembro de 2020, após a Etiópia acusar ex-líderes da Frente de Libertação do Povo Tigray, ou TPLF, de ordenar um ataque a uma base do exército na região.

Tropas enviadas pelo líder da Etiópia, o primeiro-ministro Abiy Ahmed, rapidamente expulsaram a TPLF das principais cidades e vilas, mas ainda há relatos de combates de guerrilha em Tigray.

Mais de dois milhões de pessoas foram deslocadas pela guerra.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG